JESUS CRISTO ONTEM HOJE E ETERNAMENTE

JESUS CRISTO ONTEM HOJE E ETERNAMENTE

QUE ALEGRIA SUA VISITA!

SEJA MUITO BEM VINDO AO NOSSO BLOG !


A PALAVRA DE DEUS DIZ QUE IDE E PREGAI O EVANGELHO A TODA CRIATURA.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

O QUE SÃO PALAVRAS?

Palavras, o que são palavras? Muitas vezes ditas elançadas ao vento, deixando o significado que se teve um dia, Se tornando um nada. Outras ditas com tanto poder que se tornam ações pelo contexto de seu significado. Mas o que são palavras? É a covardia por algo que não irá ser feito ou a coragem por algo que será concretizando? MILKA VASCONCELOS

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Onde encontrar a intertextualidade??

Podemos encontrar em poemas,músicas, tirinhas,imagens etc... Monte Castelo Legião Urbana 1-Ainda que eu falasse A língua dos homens E falasse a língua dos anjos, Sem amor eu nada seria. 2-É só o amor! É só o amor Que conhece o que é verdade. O amor é bom, não quer o mal, Não sente inveja ou se envaidece. 3-O amor é o fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer. 4-Ainda que eu falasse A língua dos homens E falasse a língua dos anjos Sem amor eu nada seria. 5-É um não querer mais que bem querer; É solitário andar por entre a gente; É um não contentar-se de contente; É cuidar que se ganha em se perder. 6-É um estar-se preso por vontade; É servir a quem vence, o vencedor; É um ter com quem nos mata a lealdade. Tão contrário a si é o mesmo amor. 7-Estou acordado e todos dormem. Todos dormem. Todos dormem. Agora vejo em parte, Mas então veremos face a face. 8-É só o amor! É só o amor Que conhece o que é verdade. 9-Ainda que eu falasse A língua dos homens E falasse a língua dos anjos, Sem amor eu nada seria. Intertextualidade com a bíblia e com o poema de camões Citações de I Coríntios capítulo 13 “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.” 1 Coríntios 13.1 “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece” 1 Coríntios 13:4 “Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido” 1 Coríntios 13:12 Citações do poema de Luís de Camões: Amor é fogo que arde sem se ver. Amor é fogo que arde sem se ver “Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; É um andar solitário entre a gente; É nunca contentar-se de contente; É um cuidar que se ganha em se perder. É querer estar preso por vontade É servir a quem vence o vencedor, É ter com quem nos mata lealdade. Mas como causar pode seu favor Nos corações humanos amizade; Se tão contrário a si é o mesmo amor?” Luís de Camões

sábado, 13 de outubro de 2012

PRÁTICA REFLEXIVA E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Texto adaptado para fins didáticos As atuais teorias lingüísticas e as propostas de ensino de Língua Portuguesa nas séries inicias apontam para o texto como objeto central de ensino. Nesse sentido, a prática de análise lingüística do texto se torna essencial para que o docente leve a efeito o texto como eixo de articulação e progressão curricular. Nessa concepção, as atividades de leitura, produção de textos, análise lingüística e refacção textual passam a ser integradas, proporcionando aos alunos, orientações mais claras quanto à compreensão e produção de textos; e aos professores, o estabelecimento de critérios para a organização de sua prática pedagógica e a possibilidade de transposição didática. Entretanto, essa prática requer do professor o desenvolvimento de capacidades de percepção lingüística que promovam ação autônoma, crítica e ética. Conforme Marcuschi (2004), a formação intelectual do aluno de Letras e demais cursos na área de Humanas deve estar voltada à formação para a competência e não para a simples competição no mercado. Assim, adotando-se o conceito de competência aplicada como capacidade de viver profissionalmente o que se sabe teoricamente é que os estudos atuais vêem o texto como o foco de todo o aprendizado. Ele é o centro de tudo... Os estudos lingüísticos desenvolvidos atualmente operam com conhecimentos de outras ciências para dar conta de estudar criticamente a linguagem, formulando modelos teóricos no âmbito dos procedimentos de interpretação e produção lingüística. Silva (2007) destaca como questões recentes da Lingüística: a noção de conscientização lingüística, o “modo” de aprendizagem de línguas, a aprendizagem via interações dialógicas, os padrões de interação professor-aluno, a aprendizagem centrada no contexto e o professor como pesquisador. O mestre deixa de ser o que sabe, mas o que aprende sempre. Também Rojo (2008) apresenta uma metodologia transdisciplinar para fazer a análise enunciativa da aula dialogada, interativa como gênero escolar, propondo a relação entre o sistema de atividades que a constitui e o sistema de gêneros textuais (orais e escritos) que se alinham para promover uma dada intenção enunciativa. Assim, ao estudar a enunciação de uma aula dialogada, a pesquisadora descreve as vozes em conflito do autor de um texto lido por um aluno e da professora, que, numa atitude bastante comum na prática docente, interrompe-o para comentar o texto; entretanto, fica evidente que ela desvirtuou o sentido do texto. Atualmente as aulas de Língua Portuguesa deixam de ser meramente aulas de gramática e passam a ser aulas de várias linguagens e de diversos gêneros textuais, entre eles os mais usados na mídia: os gêneros textuais vieram para ficar. São usados em todos os lugares de comunicação e em todas as situações comunicativas. Faz-se necessário ao professor atualizar-se, a fim de que não fique a mercê da aprendizagem meramente bancária que não tem mais respaldo diante de tantas mudanças tecnológicas. O mundo mudou e a escola também necessita mudar e acompanhar o que está em sua volta.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

FILME COMO SALVAR UMA VIDA

O roteirista Jim Britt espera que o filme inspire jovens e adolescentes a ajudar o próximo Postado: 20 de Julho de 2010 O drama “Para Salvar Uma Vida” foi visto em mais de 400 cidades norte-americanas. O filme aborda suicídio, depressão, autoflagelação, isolamento, gravidez e outros assuntos trabalhados normalmente por assistentes sociais em prol de jovens e adolescentes. Mas fica a seguinte pergunta: o filme mesmo com tom sério, porém inspirador e com conteúdo cristão, conseguirá chamar a atenção de adolescentes e do público em geral? Jim Britt, em uma entrevista a uma instituição norte-americana fala sobre as razões para não deixar de assistir “Para Salvar Uma Vida”, e a sua opinião quanto aos assistentes sociais. Além disso, o roteirista nos enviou uma cópia do filme para revisão desses especialistas, e, dentro de alguns dias, sairá o parecer dos assistentes sociais sobre o filme “Para Salvar Uma Vida”. Pergunta: Jim, poderia falar um pouco sobre você, por favor? Jim Britts: Sou especializado em cinema por uma Universidade localizada em La Mirada, Calif. No verão, antes de meu último ano de faculdade, fui convidado a trabalhar com alunos de segundo grau numa igreja. Naquele verão trabalhei 80 horas por semana e adorei tudo aquilo. Terminei a minha especialização, sabendo que trabalharia em tempo integral no ministério jovem e dedicando a minha vida aos adolescentes. Mais ou menos três anos atrás me procuraram com a ideia de escrever esse roteiro e foi tão bom, pois usaria a minha faculdade para algo realmente útil. Muitas das histórias no filme são baseadas na vida real dos alunos com os quais eu trabalhei e os desafios que eles enfrentaram. Pergunta: O que lhe impulsionou a escrever o livro “Para Salvar Uma Vida”? No seu trabalho como ministro de jovens, você vê uma boa quantidade de adolescentes lidando com os assuntos que você incluiu no livro? Jim Britts: Antes de mais nada, o livro veio depois do filme. O que me fez escrever o roteiro foi a grande possibilidade de estar dia a dia conversando ao menos com um jovem sobre os seus problemas. A história realmente veio para levar esperança a jovens e adolescentes feridos, e, também, para transformá-los em mensageiros da esperança. O meu desejo é passar a mensagem aos feridos e solitários. Nós podemos salvar vidas. Praticamente tudo abordado no roteiro/livro eu vejo acontecendo na vida de jovens e adolescentes com quem eu trabalho. Pergunta: A maioria dos filmes classificados como de adolescentes são filmes de ação, comédia ou terror. Eles também costumam ser sexualmente instigantes. Como você acha que os adolescentes irão reagir ao filme “Para Salvar Uma Vida”? Será que vai ser muito sério? Jim Britts: Você tem razão, não existem muitos dramas voltados para o público adolescente. Eu acho que é por isso que os adolescentes já responderam a esse filme de forma tão positiva. O filme não esclarece a dor deles, mas lida com ela de forma autêntica. Acho que subestimamos demais os adolescentes, mas esse filme verdadeiramente crê numa geração capaz de mudar o mundo, dando a esta geração o ímpeto para passar adiante a mensagem ajudadora. Nunca realmente nos fixamos à ideia de apenas fazer um filme (isso é difícil demais), mas procuramos contar bem uma história, buscando um novo mover. Acredito que o sucesso desse filme não irá se basear somente nos números de bilheteria, mas sim no número de vidas salvas e de feridos e solitários tocados. Pergunta: Você vem originalmente de um ambiente calcado na fé. O filme coloca a fé como única solução para os assuntos com os quais os jovens lidam? Jim Britts: Uma das coisas que tantas pessoas têm gostado no nosso filme é que ele não tenta impor nada. “Para Salvar Uma Vida” é realmente a história de um aluno que passa a viver uma vida muito além do que apenas sucesso e popularidade, mas o verdadeiro significado da vida. Pergunta: Os assistentes sociais ajudam os jovens a lidar com muitos assuntos em suas abordagens no filme. Eu também conheço alguns assistentes sociais que administram programas para ajudar os jovens a construir sua autoestima e fazer a transição para uma vida adulta saudável. Como você se sente a respeito do papel dos assistentes sociais na vida dos jovens, especialmente os assistentes sociais nas escolas? Jim Britts: Acho que ao invés de se fazer séries com atores e atrizes, deveríamos fazê-las com pessoas que trabalham com os jovens. Com base na minha experiência com os assistentes sociais locais, vejo que estão entre as pessoas mais trabalhadoras, carinhosas e dedicadas que já conheci. Como educador, eu considero os assistentes sociais como parceiros com quem me uno para ajudar a próxima geração. Na semana passada, fui a uma reunião com dois assistentes sociais para ajudar um aluno com dificuldades em meu grupo jovem. Fiquei muito surpreso e espero que esse filme seja incrivelmente inspirador, e lembre a esses profissionais o quanto é importante o trabalho deles. Todos nós precisamos trabalhar em equipe para trazer esperança a nossos semelhantes. Pergunta: Qual foi o orçamento de “Para Salvar Uma Vida”? O que consideraria como uma abrangência bem-sucedida do filme para você? Jim Britts: Os produtores gastaram mais do que eles inicialmente previram. Eu sei muito bem disso. Quanto às exibições, o grupo cinematográfico pensa que o orçamento foi muito maior do que foi na verdade. Uma abrangência bem-sucedida para nós seria fazer todo jovem e adolescente assistir o nosso filme. Esperamos que milhares de vidas possam ser salvas, que o número de jovens e adolescentes feridos emocionalmente seja diminuído em todo o país, e que centenas de milhares em toda a parte comecem a ir à escola, à igreja, sabendo da virtude desta verdade, de que um ato de bondade com qualquer colega possa literalmente salvar uma vida. Pergunta: Em quais outros projetos você está trabalhando? Mais algum filme voltado aos jovens? Jim Britts: Sim, claro. Não posso falar muito sobre o próximo projeto, somente que o nosso próximo filme impulsionará os jovens a achar uma casa para cada criança de rua na África. Estou tão empolgado com isso que é até difícil pegar no sono à noite. Tenha um ótimo dia. Me comunique se houver qualquer coisa que eu possa fazer para ajudar. Para saber mais sobre o filme e sobre todo o projeto, visite os sites: www.salvarumavida.com.br www.bvfilms.com.br Outras informações pelo telefone: (21) 2127-2600. Você está preparado para salvar vidas? Postado: 15 de Julho de 2010 Muito tem se pensado, no mundo atual, sobre o comportamento e o relacionamento dos jovens com seus amigos e pais. O fato é que, o jovem de hoje busca, nas amizades, as respostas e conselhos que não consegue obter com seus pais. Isto acaba gerando certos hábitos e comportamentos negativos nos adolescentes. Para comprovar isto, basta analisar alguns dados demográficos e psicográficos apresentados por institutos de pesquisa, como o IBGE. Podemos encontrar diversos tipos de problemas comportamentais, como a prática do Bullying (atos intencionais e repetitivos de violência física ou psicológica, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos, com o objetivo de intimidar ou agredir o indivíduo que é incapaz de se defender), uso de drogas, prática de sexo, etc. Segundo dados do IBGE, no Brasil 1/3 dos adolescentes já sofreu Bullying. Sabe-se também que 5 de cada 100 mil habitantes cometem suicídio; 27% das gestações são de meninas entre 11 e 19 anos; aproximadamente 30% dos estudantes entre 13 e 15 anos já fizeram sexo pela primeira vez, e 27% destes não usaram camisinha na última relação. Destes estudantes, sabe-se também que 9% já utilizaram alguma droga ilícita (lembrando que falamos de adolescentes, na sua maioria, com idade entre 13 e 15 anos). Segundo o Ministério da Saúde, ¼ dos adolescentes já pensou seriamente em se matar, ou cometeu algum ato autodestrutivo. A pergunta de pais e pastores ao ver estes dados é: o que pode ser feito para mudar esta realidade? Com certeza, a resposta para esta pergunta é muito difícil, mas um novo projeto surgiu no meio cristão para tentar mudar esta situação. Trata-se do filme “Para Salvar Uma Vida”, que traz a história do jovem Jake, garoto popular no colégio, e que tinha tudo: a namorada mais desejada, uma bolsa para a universidade pelo time de basquete, e amigos por toda parte. De outro lado, Roger, que fora melhor amigo de infância de Jake, não tem nada, nem amigos ou namorada, e nem mesmo esperança. Por conta da popularidade, Jake se afasta de Roger, e isto o leva a entrar armado no colégio, cometendo um ato trágico. Jake, então, passa a se sentir culpado e a se perguntar se poderia ter salvado Roger. Buscando respostas, Jake se depara com um jovem que vive uma situação parecida com a de Roger, e tenta, desta vez, fazer a diferença na vida deste rapaz. Porém, seu mundo começa a desabar e ele começa a perder tudo que tinha, e precisa analisar o que realmente quer da sua vida. O projeto conta com um material de apoio para que os jovens possam utilizar após assistir o filme, (assim como o livro O Desafio de Amar e o filme Prova de Fogo) que traz à tona várias questões vividas por eles no dia a dia. A novidade também é o projeto Cine Gospel, que visa incentivar as igrejas a fazer projeções em grupo para os membros, para que os mesmos se sintam inspirados e motivados a dar continuidade com as atividades extra-filme. Para saber mais sobre o filme e sobre todo o projeto, visite os sites: www.salvarumavida.com.br www.bvfilms.com.br Outras informações pelo telefone: (21) 2127-2600. Projeto para Salvar Uma Vida Postado: 09 de Julho de 2010 A equipe da BV Films não tem medido esforços para produzir, da melhor forma possível, o projeto Para Salvar Uma Vida. A equipe tem feito reuniões, firmado parcerias e comunicado ao público sobre dados de diversas situações vividas no cotidiano dos jovens, como Bullying, suicídio, gravidez e etc. A expectativa da equipe não poderia ser melhor, e um clima de muita empolgação ronda a BV Films nos últimos meses, desde que o projeto foi iniciado. Toda a empresa está aderindo à campanha e torcendo para que este filme sensacional e seu material de apoio venha a salvar muitas vidas. Claudio Rodrigues, diretor executivo da BV Films, tem passado por algumas emissoras de rádio e TV e participado de entrevistas para levar ao público informações sobre o filme. A novidade desta vez é que a empresa traz para o Brasil a cultura do projeto CINE GOSPEL, que visa estimular as igrejas a fazerem exibições para os membros na própria igreja, e também a trabalharem juntos com todo o material de apoio do filme. Este tipo de cultura está em ascendência no País e com certeza é uma das melhores formas de edificação do público, uma vez que todos se sintam inspirados com o projeto. Quem nunca se inspirou com algum filme na vida? O ponto principal é que o público não mais ficará apenas inspirado, mas poderá dar continuidade com livros devocionais, material de estudos bíblicos e muito mais. IBGE revela hábitos, costumes e riscos vividos pelos estudantes das capitais brasileiras Postado: 29 de Junho de 2010 A Pesquisa Nacional da Saúde do Escolar (Pense) apresenta informações sobre as condições de vida do estudante, em investigação inédita no IBGE sobre o tema e, também, a primeira na história do Instituto em que os próprios entrevistados responderam ao questionário diretamente no computador de mão. Essa forma de coleta de informações concedeu privacidade aos informantes para responderem questões sobre família, saúde, violência, uso de álcool e drogas e comportamento sexual. As informações mostram que mais da metade dos 618,5 mil estudantes de escolas particulares e públicas, que frequentam o 9º ano do Ensino Fundamental, nas capitais e no Distrito Federal - a maioria na faixa de 13 a 15 anos - são inativos ou insuficientemente ativos em relação à prática da atividade física. Considerando somente as alunas, o percentual chega a quase 70%. Aproximadamente 80% deles assiste TV por duas horas ou mais por dia, quando duas horas é o limite recomendado pela Organização Mundial de Saúde. Já o consumo de guloseimas e de refrigerantes superou o de frutas frescas. O consumo de frutas frescas foi de 31,5%, enquanto a proporção de alunos que consumiram guloseimas, em cinco dias ou mais na semana anterior à coleta da pesquisa, foi de 50,9%, e o percentual de estudantes que consumiram refrigerantes foi de 37,2%. Dos estudantes pesquisados, 24,2% já experimentaram cigarro alguma vez na vida e 6,3% consumiram nos 30 dias anteriores à pesquisa. O consumo de bebida alcoólica era mais disseminado do que o fumo: 71,4% já havia experimentado álcool alguma vez, sendo que 27,3% disseram ter consumido no mês anterior à pesquisa. Quase 20% declarou ter obtido a bebida em supermercados ou bares e 12,6 % deles na própria casa. Já haviam se embriagado 22,1% dos escolares. A Pense verificou, ainda, que 8,7% dos estudantes já usaram alguma droga ilícita . A pesquisa mostra, também, que já tiveram relação sexual 30,5% dos estudantes, sendo 43,7% adolescentes do sexo masculino e 18,7% do sexo feminino. Embora a maioria (87,5% dos alunos da rede pública e 89,4% da rede privada) tivesse informações sobre AIDS ou outras doenças sexualmente transmissíveis, 24,1% dos estudantes não havia usado preservativo na última relação sexual. Os dados sobre a violência mostram que quase um terço dos alunos (30,8%) respondeu ter sofrido bullying alguma vez, cuja ocorrência foi verificada em maior proporção entre os alunos de escolas privadas (35,9%) do que entre os de escolas públicas (29,5%). Nos 30 dias anteriores à pesquisa, 12,9% dos estudantes se envolveram em alguma briga com agressão física, chegando a 17,5% entre os meninos e 8,9% entre as meninas, inclusive com o uso de armas brancas (6,1% dos estudantes) ou arma de fogo, declarado por 4% deles. Viviam na companhia do pai e da mãe 58,3% dos estudantes, sendo que 31,9% moravam apenas com a mãe, 4,6% somente com o pai e 5,2% sem a presença da mãe e nem do pai. Quase 10% dos alunos declararam ter sofrido agressão por algum adulto da família. A Pesquisa Nacional da Saúde do Escolar (Pense) estimou em 618.555 o número de escolares do 9º ano do Ensino Fundamental frequentando a escola nas capitais brasileiras e Distrito Federal. Desse total, 293.596 (47,5%) são do sexo masculino e 324.958 (52,5%), do sexo feminino. Quase 80% dos alunos (489.865) estudavam em escolas públicas, enquanto 20,8% (128.690) frequentavam escolas privadas. Os menores percentuais de alunos de escolas públicas foram verificados em Vitória (61,9%), Natal (62,2%), Aracaju (66,2%) e Teresina (66,5%). A amostra incluiu 60.973 alunos do 9º ano do Ensino Fundamental, em 1.453 escolas públicas e privadas, de todas as capitais e do Distrito Federal (DF). A estrutura etária observada entre os participantes da pesquisa revelou que 89,1% dos estudantes frequentando o 9º ano tinham idade entre 13 e 15 anos, segmento considerado pela OMS como referência para os estudos de adolescentes escolares. Cabe ressaltar que 47,1% tinham 14 anos de idade. Entre todas as capitais e Distrito Federal, 10,2% dos alunos apresentaram idade igual ou superior a 16 anos, sendo Salvador (21,8%), Aracaju (19,3%) e Maceió (18,8%) as que tiveram os maiores percentuais. Fonte: IBGE

sexta-feira, 29 de junho de 2012

PROPÓSITOS E DESCRITORES DO PORTIFÓLIO ELETRÔNICO

PROPÓSITOS GERAIS 1. Manusear múltiplas ferramentas tecnológicas, proporcionando a expressão linguagens diferenciadas e a evidência de aprendizagens múltiplas; 2. Proporcionar a integração entre teoria e prática no âmbito do ensino da língua materna; 3. Evidenciar os processos de aprendizagem relativos aos conhecimentos específicos da disciplina Tendências Atuais do Ensino de Língua Portuguesa 1 – Educação Infantil; 4. Vivenciar a avaliação formativa como princípio teórico/prático para o trabalho pedagógico do professor e dos graduandos de modo a propiciar uma atuação conjunta para promover as aprendizagens; 5. Sistematizar as produções para evidenciar os progressos nas aprendizagens; PROPÓSITO ESPECÍFICO 1. Compartilhar com meus amigos blogueiros as reflexões feitas durante o desenvolvimento da disciplina; 2. Me familiarizar com o universo blogueiro; DESCRITORES 1. Cumprimento dos propósitos gerais; 2. Cumprimento do propósito específico; 3. Cumprimento de prazos (postagens semanais, socializações agendadas, etc) 4. Construção processual (ao longo do semestre) 5. Organização que facilita a compreensão das produções; 6. Apresentação de análise/reflexão das produções e de outros materiais incluídos; 7. Correção linguística dos textos (conforme as situações comunicativas, aos gêneros e aos tipos textuais, etc.) 8. Utilização de múltiplas linguagens (vídeo, áudio, imagens, etc.) 9. Existência de materiais complementares relacionados às temáticas discutidas; 10. Apresentação de síntese conclusiva; 11. Apresentação de avaliação final do processo de construção e elaboração do portfólio; Hoje é dia...

sábado, 16 de junho de 2012

Profissionalização docente: Ser professor nos dias de hoje Thaís Caroline Pessoa de Moura dos Santos Formada pela PUCPR em Pedagogia e cursando Pós graduação em Metodologias Inovadoras da Aprendizagem com ênfase em Psicopedagogia. Cinthia Saus Uliani Formada em Pedagogia pela UFPR e cursando Pós graduação em Metodologias Inovadoras da Aprendizagem com ênfase em Psicopedagogia. E-mail: thais@luzevida.com.br Ser professor hoje é uma tarefa bem difícil, mas prazerosa, pois ele precisa se dedicar, e muito, aos estudos, a pesquisa, ao seu desenvolvimento profissional e aos seus alunos. Como mediador da aprendizagem, participa ativamente do processo de aprender, incentivando a busca de novos saberes, sendo detentor de senso crítico, conhecendo profundamente o campo do saber que pretende ensinar, além de ser capaz de produzir novos conhecimentos, através da realidade que o cerca. Ufa, quanta coisa um único professor deve obter, sendo que isso não é tudo, existem mais inúmeras coisas que ele precisa, como paciência, criatividade, humildade, carisma, domino próprio e de público, etc. etc. etc. Pedro Demo em uma reportagem para a revista Profissão Mestre, disse: "Ser profissional hoje é principalmente saber, todo dia, renovar a profissão". Acreditamos que nenhum comentário precisa ser feito, pois essa frase diz tudo. Com tudo isso, será que o professor deve ser visto como a única fonte de saber? Para Celso Antunes não, ele acredita que "o professor de verdade sabe provocar curiosidade, ensina a pesquisar, a separar o joio do trigo, a usar o que se aprende em situações novas, transformando o aprender em compreender". Portanto, notamos que a profissão docente é uma das mais difíceis, pois temos desafios todos os dias, como ensinar o aluno a pensar, a pesquisar, etc. Até mesmo o professor aprende todos os dias, e a formação continuada deve ser uma constante na vida dele e, até mesmo, de todos os profissionais, pois como diz Júlio Clebsch, redator da revista Profissão Mestre: "O problema é a velocidade, e portanto, para dar conta de um mundo que muda cada vez mais rápido, não há nada mais pertinente do que saber pensar". REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Revista Profissão Mestre. Ano 6. n° 61. Outubro de 2004. Pgs. 18- 26. Jornal Virtual Profissão Mestre. Ano 5. n° 41. Novembro de 2004.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

O CARPINTEIRO E A CASA Um velho carpinteiro estava para se aposentar. Contou a seu patrão sobre seus planos de deixar o serviço de carpintaria e construção de casas, para viver uma vida calma com sua família. Obviamente ele se ressentia da falta do salário mensal, porém, necessitava e merecia a tão sonhada aposentadoria. O proprietário da empresa lamentou o desligamento de um de seus melhores funcionários, entretanto considerou justa sua reinvidicação. Como última tarefa a desempenhar, o patrão solicitou a ele que construísse ainda mais uma última casa e então, poderia afastar-se da labuta diária. O carpinteiro consentiu, mas, com o tempo, percebia-se nitidamente que seus pensamentos e seu coração não estavam no trabalho. Ele não se empenhou no serviço e utilizou mão-de-obra e matéria-prima de qualidade inferior. Foi uma maneira lamentável de encerrar sua carreira ! Quando o carpinteiro terminou o trabalho, o construtor veio inspecionar a casa e entregou a chave da porta ao carpinteiro dizendo: esta casa é sua, é meu presente pra você ! Que vergonha ! Se ele soubesse que estava construindo sua própria casa, teria feito completamente diferente, não teria sido tão relapso ! Agora, iria morar numa casa feita de qualquer maneira... Assim acontece conosco. Construímos nossas vidas de maneira distraída, reagindo mais do que agindo, desejando colocar menos do que o melhor. Nos assuntos importantes, não empenhamos nosso melhor esforço. Então, em choque, olhamos para a situação que criamos e vemos que estamos morando na casa que construímos... Pense em você como um carpinteiro. Pense em sua casa. Cada dia você martela um prego novo. Coloca uma armação ou levanta uma parede. Construa sabiamente, pois da qualidade desta construção, depende diretamente o seu futuro ! A vida é um projeto de “ faça você mesmo”! A sua vida de hoje é o resultado de suas atitudes e escolhas feitas no passado. Sua vida de amanhã é o resultado de suas atitudes e escolhas que fizer hoje. Autor Anônimo

segunda-feira, 14 de maio de 2012

MONÓLOGO DE UM ESTUDANTE

"Não, eu não vou bem na escola. Esse é o meu segundo ano na sétima série e eu sou muito maior que os outros alunos. Entretanto, eles gostam de mim. Não falo muito na aula, mas fora da sala sei ensinar um mundo de coisas. Eles estão sempre me rodeando e isso compensa tudo que acontece na sala de aula. Eu não sei porque os professores não gostam de mim. Na verdade eles nunca acreditam que a gente sabe alguma coisa, a não ser que se possa dizer o nome do livro onde a gente aprendeu. Tenho em casa alguns livros: dicionários, Atlas, livro de português, matemática, ciências e outros que a professora manda comprar. Mas não costumo sentar e ler todos, como mandam a gente fazer na escola. Uso meus livros quando quero descobrir alguma coisa. Por exemplo, viajo sempre com meu tio, que é caminhoneiro. Quando ele me convida para fazer entrega no final de semana, vamos logo procurar num mapa rodoviário o caminho para chegar a outra cidade. Mas, na escola, a gente tem de aprender tudo que está no livro, e eu não consigo guardar. No ano passado, fiquei uma semana tentando aprender os nomes dos imperadores romanos. Claro que conhecia alguns como Nero, César e Calígula. Mas é preciso saber todos juntos e em ordem. E isso eu nunca sei. Também não ligo muito, pois os meninos que estudam os imperadores têm aprender tudo o que eles fizeram. Estou na sétima série pela segunda vez, mas a professora agora não é muita interessada nos imperadores. Ela quer é que a gente aprenda tudo sobre as guerras gregas. Acho que nunca conseguirei decorar nomes em História. Este ano, comecei a aprender um pouco sobre caminhões porque meu tio tem três, e disse que posso dirigir um quando fizer dezoito anos. Já sei bastante sobre cavalo-vapor e marchas de cinco marcas diferentes de caminhão, alguns a diesel. É gozado como os motores a diesel funcionam. Comecei a falar sobre eles com a professora de Ciências na quarta-feira passada, quando a bomba que a gente estava usando para obter vácuo esquentou. Mas a professora não via a relação entre um motor a diesel e a nossa experiência sobre a pressão do ar. ] Fiquei quieto. Mas os colegas pareceram gostar. Levei quatro deles à garagem do meu tio e como ele entende disso... Eu também não sou forte em Geografia. Neste ano, eles falam em Geografia física. Durante toda a semana estudamos agricultura de roça no mundo tropical, sistemas agrícolas tradicionais, mas não sei bulhufas. Talvez porque faltei á aula, porque meu tio me levou a Ribeirão Preto com uma carga de televisão. Trouxemos de lá um carregamento de açúcar. Meu tio tinha me dito as estradas e as distâncias em quilômetros. Ele só dirigia o caminhão e eu ia lendo as placas com os nomes das cidades onde passávamos. Até Campinas contei um montão de fábricas e daí para frente era só canavial. Mas para que tanta cana em São Paulo? Paramos duas vezes e dirigimos mais de 600 quilômetros, ida e volta. Estou tentando calcular o óleo e o desgaste do caminhão para ver quanto ganhamos. Eu costumo contar minhas viagens para meus colegas da escola e eles gostam muito porque há sempre novidades. Gostaria de fazer minhas redações sobre as viagens que faço com meu tio, mas outro dia o tema da redação na escola era: "O que uma rosa leva na primavera". Não deu... Também não dou para Matemática. Parece que não consigo me concentrar nos problemas. Um deles era assim: "Se um poste telefônico com doze metros de comprimento cai atravessado em uma estrada, de modo que um metro e meio sobre um lado e um metro de outro, qual a largura da estrada?" Acho uma bobagem calcular a largura da estrada. Nem tentei responder, pois o problema não dizia se o poste tinha caído reto ou torto. Não vou bem em Educação para o Trabalho. Todos nós fizemos um suporte para pendurar plantas e a única mesa existente está sempre ocupada. Quis fazer uma caixa de ferramentas para o meu tio, mas a professora não deixou, pois eu teria de trabalhar só em madeira. Acabei fazendo a caixa de ferramentas em casa e meu tio disse que economizou muito com o presente. Meu pai disse que eu posso sair da escola quando fizer quinze anos. Estou doidinho para isso porque há um mundo de coisas que eu quero aprender a fazer e já estou ficando velho." Depoimento adaptado de um aluno (transcrito do parecer do CFE nº 2164/78) ATIVIDADES: Questão 1: Você sente a mesma coisa em relação aos seus alunos? Questão 2: Acontece este tipo de insatisfação com seus alunos? Questão 3: Na sua escola anterior em que trabalhou, muitos alunos deixaram de estudar antes mesmo de concluir o Ensino Fundamental? Questão 4: E hoje na que você está, isto vem acontecendo? Com que freqüência? Por quê? Questão 5: A que causa você atribuiria esta fuga da escola? Questão 6: O que você modificaria na escola? E na sua? QUESTIONAMENTOS: I . Como são as aulas de Língua Portuguesa em sua escola? II . Em sua opinião, o que faltam a estas aulas, a fim de que se tornem boas? Justifique: III . Você teve alguma surpresa em suas aulas de Língua Portuguesa enquanto professor(a)? IV. Enumere 5 itens para que as aluas de Língua Portuguesa se tornem prazerosas.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Estabelecendo Limites

Visitei este blog e achei interessante este texto e resolvi compartilhar com todos vocês amigos! http://www.casadatialea.com.br/textos_educativos_detalhes.asp?Cod=3 Quando e como disciplinar as crianças não é um assunto fácil. Antigamente, os pais, principalmente o pai, estabeleciam as regras do certo ou errado, do bom e do mau comportamento, e de acordo com elas, as crianças eram punidas ou recompensadas. A partir das décadas de 20 ou 30, os pais passaram a ser instruídos no sentido de deixar os filhos mais soltos para que pudessem expressar melhor seus sentimentos, sem que fossem levadas em conta as inconveniências e os aborrecimentos que isso poderia causar às outras pessoas. Havia uma preocupação excessiva com as repercussões futuras das medidas disciplinares muito rígidas utilizadas durante a infância. Dava-se ênfase ao amor e segurança, muitas vezes entendidos como “deixe ele fazer o que quiser”, e negligenciava-se o treinamento da disciplina. Infelizmente, os resultados dessa conduta não foram os melhores. A disciplina é necessária e indispensável. Regras, leis e princípios governam quase todas as atividades físicas, mentais, emocionais e sociais. É essencial ensiná-las aos filhos para que eles possam adaptar-se ao mundo e ter um comportamento socialmente aceitável. Essa disciplina desenvolverá neles controles internos, o que lhes permitirá ter uma noção clara de seus direitos e deveres. A disciplina é uma questão de aprendizado de limites, que dura anos, sendo os maiores responsáveis os pais, que ensinam pelo exemplo que dão aos filhos e pelos limites que eles mesmos se impõem. É um processo gradual, em que os pais transmitem aos filhos seus valores e sua proposta e significado de vida. Transcende assim a utilização de normas de comportamento, a contenção de impulsos, a explicação dos direitos dos outros, a aplicação de castigos e recompensas. O segredo da disciplina está em viver aquilo que se ensina. As crianças assumem os valores aceitos por seu pais, sendo eles admitidos ou não pela sociedade. Ensinar o que não se pratica é extremamente difícil, ou mesmo impossível. Se você agride as pessoas, se dirige em velocidade excessiva, se avança os sinais, se falseia a idade de seu filho para levar vantagens, se faz o dever de casa dele, se fica calado quando recebe um troco errado, se pede atestados médicos falsos, se mente ou engana, se fura filas, se pede para ocupar um espaço que não é o seu de direito e outros atos do mesmo teor, certamente você não estará contribuindo para que seu filho se torne um cidadão digno e respeitado pela comunidade. Palmadas, surras, castigos, chantagens e outras medidas-corretivas não são as melhores formas de se disciplinar, embora possam ser utilizadas, ocasionalmente, como uma forma de “preço pago pela criança” quando ela se desvia das regras ou regulamentos estabelecidos. O adulto, com raras exceções, é o resultado do que vivenciou quando criança, principalmente em sua casa. Certamente, a violência, o narcotráfico, a corrupção, a prostituição e muitas outras mazelas só diminuirão se conseguirmos modificar profundamente a educação de nossas crianças.

A ESCOLA É ...

A Escola é ... ... O lugar onde se faz amigos. Não se trata só de prédios, salas, quadros, Programas, horários, conceitos ... Escola é sobretudo, gente, Gente que trabalha, que estuda, Que se alegra, se conhece, se estima. O Diretor é gente, o coordenador é gente, o professor é gente, o aluno é gente, Cada funcionário é gente. E a escola será cada vez melhor Na medida em que cada um se comporta Como colega, amigo, irmão. Nada de “ilha cercada de gente por todos os lados” Nada de conviver com as pessoas depois Descobrir que não tem amizade de ninguém, Nada de ser como tijolo que forma parede, Indiferente, frio, só. Importante na escola não é só escutar, Não é só trabalhar, É também criar laços de amizade, É criar ambiente de camaradagem, É conviver e se “amarrar nela”. Ora, é lógico ... Numa escola assim vai ser fácil Estudar, trabalhar, crescer, Fazer amigos, educar-se, ser feliz. Paulo Freire

terça-feira, 6 de março de 2012

FONÉTICA E FONOLOGIA





1. FONOLOGIA
É a parte da Gramática que estuda o comportamento dos fonemas de uma língua, tomando-os como unidades sonoras capazes de criar diferença de significados. Outros nomes: fonêmica, fonemática.

2. FONÉTICA

É a parte da Gramática que estuda as particularidades dos fonemas, ou seja, as variações que podem ocorrer na realização dos fonemas.

3. FONEMA E LETRA
Fonema é a menor unidade sonora e distintiva de uma língua. Os fonemas dividem-se em vogais, semivogais e consoantes. Convém reforçar que o fonema é uma realidade acústica.

Letra é o sinal gráfico que, na escrita, representa o fonema. A letra é uma realidade gráfico-visual do fonema.

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES:

a) Uma mesma letra pode representar fonemas diferentes. É o que ocorre com a letra “x” em palavras como sexo (x = ks), feixe (x = ch), exato (x = z) e próximo (x = ss).

b) Um mesmo fonema pode ser representado por letras diferentes. É o que ocorre em flecha (ch = x) e lixo (x = ch).

c) Uma única letra pode representar dois fonemas. A esse fenômeno, chama-se dífono. Exemplo: táxi (lê-se “táksi” – x = ks).

d) Duas letras podem representar um único fonema. A esse fenômeno, chama-se dígrafo. Exemplo: chave (lê-se “xávi” – ch = x).

OS SONS DA FALA
Os sons de nossa fala resultam quase todos da ação de certos órgãos sobre a corrente de ar vinda dos pulmões.
Para a sua produção, três condições se fazem necessárias:
a) a corrente de ar
b) um obstáculo encontrado por essa corrente de ar
c) uma caixa de ressonância
Estas condições são criadas pelos órgãos da fala, denominados, em seu conjunto, aparelho fonador.

APARELHO FONADOR
É constituído das seguintes partes:
a) Pulmões, os brônquios e a traqueia - órgãos respiratórios que fornecem a corrente de ar, matéria prima da fonação
b) Laringe, onde se localizam as cordas vocais, que produzem a energia sonora utilizada na fala
c) Cavidades supralaríngeas (faringe, boca e fossas nasais), que funcionam como caixas de ressonância, sendo que a cavidade bucal pode variar profundamente de forma e de volume, graças aos movimentos dos órgãos ativos, sobretudo da língua, que, de tão importante na fonação, se tornou sinônimo de idioma
FUNCIONAMENTO DO APARELHO FONADOR
O ar expelido dos pulmões, por via dos brônquios, penetra na traqueia e chega a laringe, onde, ao atravessar a glote, costuma encontrar o primeiro obstáculo à sua passagem.
A glote, que fica na altura do chamado pomo-de-adão ou gogó, é a abertura entre duas pregas musculares das paredes superiores da laringe, conhecidas pelo nome de cordas vocais.
O fluxo de ar pode encontra-la fechada ou aberta, em virtude de estarem aproximados ou afastados os bordos das cordas vocais.
No primeiro caso, o ar força a passagem através das cordas vocais retesadas, fazendo-as vibrar e produzir o som musical característico das articulações sonoras.
No segundo caso, relaxadas as cordas vocais, o ar se escapa sem vibrações laríngeas. As articulações produzidas denominam-se surdas.
A distinção entre sonora e surda pode ser claramente percebida na pronúncia de duas consoantes que no mais se identificam. B (sonoro) P (surdo)
Ao sair da laringe, a corrente expiratória entra na cavidade faríngea, uma encruzilhada, que lhe oferece duas vias de acesso ao exterior: o canal bucal e o nasal.
Suspenso ao entrecruzar desses dois canais fica o véu palatino, órgão dotado de mobilidade capaz de obstruir ou não o ingresso do ar na cavidade nasal e, consequentemente, de determinar a natureza oral ou nasal de um som.
Quando levantado, o véu palatino cola-se à parede posterior da faringe, deixando livre apenas o conduto bucal. As articulações assim obtidas denominam-se orais.
Quando abaixado, o véu palatino deixa ambas as passagens livres. A corrente expiratória então divide-se, e uma parte dela escoa-se pelas fossas nasais, onde adquire a ressonância característica das articulações, por esse motivo, também chamadas nasais.



• Lábios: Articulação de sons bilabiais (b, m, p) e labiodentais (f, v)
• Dentes: Escoamento do som
• Língua: Participa na produção dos sons
• Céu da boca: Projeção da voz
• Faringe: Amplia o som
• Cavidade Nasal: Vibração e amortização do som
• Laringe: Contém as cordas vocais
• Traqueia: Suporte para vibração das cordas vocais
• Pulmões: Reservatório de ar
• Musculatura respiratória: Produz pressão no ar

SOM E FONEMA
Nem todos os sons que pronunciamos em português tem o mesmo valor no funcionamento de nossa língua.
Alguns servem para diferenciar palavras que no mais se identificariam, por exemplo, em: "erro". A diversidade de timbre da vogal tônica é suficiente para estabelecer uma oposição entre substantivo e verbo.
Toda distinção significativa entre duas palavras de uma língua estabelecida pela oposição ou contraste entre dois sons revela que cada um desses sons representa uma unidade mental sonora diferente. Essa unidade de que o som é a representação física recebe o nome de fonema.
Correspondem, pois, a fonemas diversos os sons vocálicos e consonânticos diferenciadores das palavras atrás mencionadas.
A disciplina que estuda minuciosamente os sons da fala, as múltiplas realizações dos fonemas, chama-se fonética.
A parte da gramática que estuda o comportamento dos fonemas numa língua denomina-se fonologia, fonemética ou fonêmica.

DESCRIÇÃO FONÉTICA E FONOLÓGICA
A descrição dos sons da fala (descrição fonética), para ser completa, deveria considerar sempre:
a) como eles são produzidos
b) como são transmitidos
c) como são percebidos
Sobre a impressão auditiva deveria concentrar-se o interesse maior da descrição, pois é ela que nos deixa perceber a variedade dos sons e o seu funcionamento em representação dos fonemas.
Acontece, porém, que a descrição do efeito acústico de um fonema não se faz com termos precisos, semelhantes aos que se usam para descrever os movimentos dos órgãos que participam da produção de um som.
PONTO DE ARTICULAÇÃO
Este critério toma por base o ponto da cavidade bucal em que se localiza o obstáculo à corrente de ar. Conforme o ponto de articulação, as consoantes são:

Bilabiais – Quando ocorre contato dos lábios superior e inferior.

1. /b/ = bata, belo.
2. /m/ = mama, mamão.

Labiodentais – Quando o lábio inferior toca os dentes incisivos superiores.

1. /f/ = fato, favo, fenda.
2. /v/ = voto, veto, vento.

Linguodentais – Quando a língua toca a face interna dos dentes incisivos superiores.
5. CLASSIFICAÇÃO DOS FONEMAS

Os fonemas classificam-se em vogais, semivogais e consoantes.

6. VOGAIS

Vogais são fonemas que resultam da livre passagem do ar que vem dos pulmões pela cavidade da boca, sem interferência dos órgãos bucais. O som é obtido pela vibração das cordas vocais, o que faz de todas as vogais fonemas sonoros. As vogais constituem a base da sílaba, isto é, não há sílaba sem vogal.

ORALIDADE E NASALIDADE

Vogais orais – A corrente de ar vibrante passa apenas pela cavidade bucal. São sete os fonemas vocálicos orais:

1. /a/ = mato
2. /e/ = letra
3. /3/ = reta
4. /i/ = vida
5. /o/ = boca
6. / / = obra
7. /u/ = rubro

Vogais nasais – A corrente de ar vibrante passa, ao mesmo tempo, pelas cavidades bucal e nasal. Para marcar o som nasal das vogais, a escrita utiliza-se do til, do m ou do n. São cinco as vogais nasais:

1. /ã/ = ímã, anta, canto, ambos.
2. /e/ = lento, vento, lembro.
3. / / = cinto, finda, ímpar.
4. /õ/ = põe, ronco, monta, ombro.
5. / / = fundo, mundo, umbral.

ZONA DE ARTICULAÇÃO
Vogais anteriores ou palatais – A língua dirige-se para a região palatal ou céu da boca.

1. /3/ = pé, serra, mel, pedra.
2. /e/ = medo, cedo, lê, medroso.
3. /i/ = fita, ri, ríspido, inimigo, vida.
4. / / = vinda, finda, timbre.

Vogais centrais ou médias – A língua permanece em repouso.

1. /a/ = má, pá, mala, farra.

2. /ã/ = lã, lama, cama, cana.
PONTO DE ARTICULAÇÃO
Este critério toma por base o ponto da cavidade bucal em que se localiza o obstáculo à corrente de ar. Conforme o ponto de articulação, as consoantes são:

Bilabiais – Quando ocorre contato dos lábios superior e inferior.

1. /b/ = bata, belo.
2. /m/ = mama, mamão.

Labiodentais – Quando o lábio inferior toca os dentes incisivos superiores.

1. /f/ = fato, favo, fenda.
2. /v/ = voto, veto, vento.

Linguodentais – Quando a língua toca a face interna dos dentes incisivos superiores.

1. /d/ = dedo, dado, data.
2. /t/ = tato, tédio,todo.
3. /n/ = nada, neto, nódoa.

Alveolares – Quando a língua toca os alvéolos (cavidades onde se implantam os dentes) dos dentes incisivos superiores.

1. /s/ = sala, passar, cela, calça.
2. /z = asa, êxito, fazer, azar.
3. /l/ = tela, vela, ela.
4. /r/ = aro, caro, faro.

Palatais – Quando o dorso da língua toca o palato duro (céu da boca).

1. /ƒ/ = chapa, caixa, pichar.
2. /3/ = jacaré, gelo, jeito, gengibre.
3. /ג/ = telha, velha, orelha.
4. /h/ = ganho, venho, linha.

Velares – Quando há contato do dorso da língua com o palato mole (véu palatino).

1. /k/ = cabra, quebra, quatorze, quociente.
2. /g/ = galho, guincho, distinguir.
3. /R/ = rota, burro, bizarro.

SONORIDADE

Este critério verifica se ocorre ou não vibração das cordas vocais. Quanto à sonoridade, as consoantes podem ser:

Sonoras – Consoantes que fazem vibrar as cordas vocais.
1. /b/ = bodega, bode, bola.
2. /d/ = data, dedo, dela.
3. /g/ = gato, galo, gago.
4. /v/ = vida, veto, virgem.
5. /z/ = raso, zelo, exânime, exarar.
6. /3/ = gelo, jeca, jaca, jeito, ojeriza.

Surdas – Consoantes que não fazem vibrar as cordas vocais.
1. /p/ = pulo, pólo, pólos, pêlo, pêlos.
2. /t/ = taco, toco, teto.
3. /k/ = calo, quilo, quota, quotidiano.
4. /f/ = fealdade, faz-tudo, fecha.
5. /s/ = sala, caça, missa, exceção, sintaxe,
cresça.

6. /ƒ/ = chá, xale, chalé, chaleira.
Vogais posteriores ou velares – A língua permanece em repouso.

1. / / = pó, escola, prova, novos.
2. /u/ = nu, urubu, caju, tatu, Itu, pacu.

TIMBRE

Vogais abertas:

1. /a/ = pá, má, mato, pato, mata, farra.
2. / / = pó, escola, prova, novos.
3. /e/ = pé, serra, mel, pedra.

Vogais fechadas:
1. /â/ = lama, cama, banha, manta, jambo.
2. /e/ = seco, menta, perda, medo, vento.
3. /o/ = doce, moça, poço, monte, ponte.
4. / / = minto, cinto, limpo, íntimo.
5. /u/ = uva, rudemente, fundo, mundo.

Vogais reduzidas – São todas as vogais (finais ou não) átonas.

1. /a/ = mala, serra, farra, amparo, antigo, ambidestro.

2. /e/ = entrada, empate, emblema, fale, cante, frente.

3. /o/ = combate, ondulada, pomada, modo, como.

4. / / = insistir, impedir, informar, interior.

5. /u/ = juntar, umbral, umbigo, untar.

INTENSIDADE

A intensidade diz respeito à força com que as vogais são emitidas no ato da fala. Assim, elas podem ser:

Vogais tônicas – São emitidas com mais força; estão sempre na sílaba tônica das palavras. Atenção: nem todas as vogais tônicas são acentuadas graficamente.

1. /a/ = má, lá, falo, calo, mata, farra.
2. /e/ = pé, fé, relé, revés, pele, terra.
3. /i/ = li, aí, vida, físico, tísico, tambaqui.
4. /o/ = todas, lodo, fogo, moda, pôr, crosta.
5. / / = pólo, fogos, logo, pó, corda.
6. /u/ = baú, nu, angu, úmido, urso.

Vogais átonas – São emitidas com menos força e nunca estão na sílaba tônica das palavras.

1. /a/ = mala, azedo, lâmpada, cama, ótima.
2. /e/ = tremor, enxada, lembrança, enxame.
3. /i/ = imitar, inimigo, cinema, imaginar, imigrar.
4. /o/ = pólo, lodo, fogo, porque, pomada, coral.
5. /u/ = bulir, fugir, perfumada, rumor, zumbido.

Vogais subtônicas – Têm intensidade secundária. Só existem em sílabas que, antes, eram tônicas.

1. /a/ = vagamente, pazinha.
2. /e/ = cafezinho, pezinho, levemente.
3. /i/ = timidamente, Luisinha.
4. /o/ = tolamente, comodamente, robozinho.
5. / / = somente, sozinho, pozinho.
6. /u/ = rudemente, urubuzinho, bauzinho.
Classificação das consoantes
VIII. Classificação das consoantes

As consoantes são fonemas que não podem sozinhos formar sílabas, ou seja, eles são fonemas que não podem agir sozinhos, diferentemente das vogais, que podem formar sílabas.

Existem divisões para as consoantes, conforme a NGB, em relação ao modo de articulação:

• Oclusivas: o ajuntamento de dois órgãos: /p/, /b/, /t/, /d/, /k/,/g/.

• Construtivas: prolongavél, sendo fricativas quando há fricção: /s/, /z/, /x/, /j/, laterais quando o ar escapa pelas laterais da língua: /l/, /lh/, e vibrantes quando há vibrações: /r/ e /rr/.

Em relação ao ponto de articulação são classificadas em:

• Bilabiais: quando os lábios se encontram: /p/, /b/, /m/.

• Lábiodentais: o lábio inferior se encontra com a acarda dentária superior: /f/, /v/.

• Línguodentais: a arcada dentária superior e a língua se encontram: /t/, /d/,/n/.

• Alveolares: a língua se encontra com os alvéolos: /s/,/r/,/z/.

• Palatais: usa-se o palato com o dorso da língua: /x/, /j/,lh/, /nh/.

• Velares: raíz da língua com o véu: /k/,/g/,/rr/.



ALFABETO FONÉTICO
Como as letras da escrita não conseguem representar fielmente os fonemas, criaram-se símbolos especiais para a representação fiel dos sons formadores dos vocábulos. Esses símbolos formam o alfabeto fonético, utilizado na transcrição fonética dos sons da linguagem.
ca
Grafologia
Morfologia
S

Na língua portuguesa brasileira, usamos 19 consoantes, representadas na tabela a seguir, onde estão classificadas pelas suas características de produção no aparelho fonador.
Papel da cavidade nasal Oral Nasal
Modo de articulação Oclusiva Constritiva Oclusiva
Fricativa Lateral
aproximante Vibrante
Papel das cordas vocais Surda Sonora Surda Sonora Sonora Sonora Sonora
Ponto de articulação
Bilabial / p /
pato / b /
barco / m /
mapa
Labiodental / f /
fita / v /
vida
Linguodental / t /
ou

tato / d /
ou

dedo
Alveolar / s /
sapo / z /
zíper / l /
lado / r /
arara / n /
neto
Pós-alveolar / x /
ou

xeque / j /
ou

jato
Palatal / λ /
ou

telha / ñ /
ou

lenha
Velar / k /
casa / g /
gato
Uvular / R /
rato



intaxe

Sites do autor

sexta-feira, 2 de março de 2012

DINÂMICAS




FONTE DAS DINÂMICAS:
http://www.lucymiranda.com.br/?page_id=495

DINÂMICAS
1) AFETO

Objetivos:
Exercitar manifestações de carinho e afeto.

Material:
Um bichinho de pelúcia.

Desenvolvimento:
1. Após explicar o objetivo, o coordenador pede para que todos formem um círculo e passa entre eles o bichinho de pelúcia, ao qual cada integrante deve demonstrar concretamente seu sentimento (carinho, afago, etc.).
2. Deve-se ficar atento a manifestações verbais dos integrantes.
3. Após a experiência, os integrantes são convidados a fazer o mesmo gesto de carinho no integrante da direita.

Refletir:
Deve-se debater sobre as reações dos integrantes com relação a sentimentos de carinho, medo e inibição que tiveram.

2) QUEM SOU EU?

Objetivos:
Tornar os membros do grupo conhecidos rapidamente, num ambiente relativamente pouco inibidor

Desenvolvimento:
Cada um recebe uma folha com a pergunta :”Quem sou eu?”.
Durante 10 minutos cada um escreve cinco itens em relação a si mesmo, que facilitem o conhecimento.
A folha escrita será fixada na blusa dos participantes.
Os componentes do grupo circulam livremente e em silêncio pela sala, ao som de uma música suave, enquanto lêem a respeito do outro e deixa que os outros leiam o que escreveu a respeito de si.
Logo após reunir 2 a 3 colegas, com os quais gostariam de conversar para se conhecerem melhor. Nesse momento é possível lançar perguntas que ordinariamente não fariam.
Avaliação:
Para que serviu o exercício?

Como nos sentimos?

3) A TROCA DE UM SEGREDO

Objetivos:
Fortalecer o espírito de amizade entre os membros do grupo.

Material:
Lápis e papel para os integrantes.

Desenvolvimento:
1. O coordenador distribui um pedaço de papel e um lápis para cada integrante que deverá escrever

algum problema, angústia ou dificuldade por que está passando e não consegue expressar oralmente.

2. Deve-se recomendar que os papéis não sejam identificados a não ser que o integrante assim desejar.

3. Os papéis devem ser dobrados de modo semelhante e colocados em um recipiente no centro do grupo.

4. O coordenador distribui os papéis aleatoriamente entre os integrantes.

5. Neste ponto, cada integrante deve analisar o problema recebido como se fosse seu e procurar definir qual seria a sua solução para o mesmo.

6. Após certo intervalo de tempo, definido pelo coordenador, cada integrante deve explicar para o grupo em primeira pessoa o problema recebido e solução que seria utilizada para o mesmo.

7. Esta etapa deve ser realizada com bastante seriedade não sendo admitidos quaisquer comentários ou perguntas.
8. Em seguida é aberto o debate com relação aos problemas colocados e as soluções apresentadas.

Possíveis questionamentos:
1. Como você se sentiu ao descrever o problema?
2. Como se sentiu ao explicar o problema de um outro?
3. Como se sentiu quando o seu problema foi relatado por outro?
4. No seu entender, o outro compreendeu seu problema?
5. Conseguiu pôr-se na sua situação?
6. Você sentiu que compreendeu o problema da outra pessoa?
7. Como você se sentiu em relação aos outros membros do grupo?
8. Mudaram seus sentimentos em relação aos outros, como conseqüência da dinâmica?

4) COMUNICAÇÃO GESTICULADA

Objetivos:
Analisar o processo de comunicação gestual entre os integrantes do grupo.

Material:
Aproximadamente vinte fichas com fotografias ou desenhos para serem representados através de mímicas.

Desenvolvimento:
1. O coordenador auxiliado por outros integrantes deve encenar através de mímicas (sem qualquer som) o que está representado nas fichas, cada qual em um intervalo de aproximadamente um minuto.
2. Os demais integrantes devem procurar adivinhar o que foi representado.

Refletir:
Deve-se comentar a importância da comunicação nos trabalhos e atividades do cotidiano, bem como do entrosamento dos integrantes do grupo para que juntos possam até mesmo sem se comunicar entender o que os outros pensam ou desejam fazer.

5) CONHECENDO MELHOR O GRUPO

Objetivos:
Compreender os objetivos individuais e sua relação com o grupo.

Material:
Lápis e papel para os integrantes.

Observação:O horizonte do desejo pode ser aumentado, como por exemplo, um sonho que se deseja realizar no decorrer da vida.

Desenvolvimento:
1. O coordenador pede aos integrantes que pensem nas atividades que gostariam de fazer nos próximos dias ou semanas (viagens, ir bem numa prova, atividades profissionais, familiares, religiosas, etc.).
2. Então, cada integrante deve iniciar um desenho que represente o seu desejo na folha de ofício.
3. Após trinta segundos o coordenador pede para que todos parem e passem a folha para o vizinho da direita, e assim sucessivamente a cada trinta segundos até que as folhas voltem à origem.
4. Então cada integrante descreve o que gostaria de ter desenhado e o que realmente foi desenhado.

Refletir:
1. Importância de conhecermos bem nossos objetivos individuais e coletivos;
2. Importância de sabermos expressar ao grupo nossos desejos e nossas dificuldades em alcançá-los;
3. O interesse em sabermos quais os objetivos de cada participante do grupo e de que maneira podemos ajudá-los; 4. Citar a importância do trabalho em grupo para a resolução de problemas; 5. Outros



6) VARINHAS QUE NÃO QUEBRAM

Objetivos:
Utilidade pastoral; união do grupo. A fé como força que pode agregar, unir e dar resistência às pessoas.

Material:
Um feixe de 16 varinhas (pode-se usar palitos de churrasco)

Desenvolvimento:
1. Pedir que um dos participantes pegue uma das varinhas e a quebre. (o que fará facilmente).
2. Pedir que outro participante quebre cinco varinhas juntas num só feixe (será um pouco mais difícil).
3. Pedir que outro participante, quebre todas as varinhas que restaram, se não conseguir, poderá chamar uma outra pessoa para ajudá-lo.
4. Pedir que todos os participantes falem sobre o que observaram e concluíram.
5. Terminar com uma reflexão sobre a importância de estarmos unidos.

7) PRESENTE DE AMIGO

Objetivos:
Enaltecer qualidades dos integrantes do grupo.

Material:
Lápis e papel para os integrantes.

Desenvolvimento:
1. O coordenador divide o grupo em subgrupos de quatro a seis integrantes e, em seguida, expõe o seguinte:

a) “Muitas vezes apreciamos mais um presente pequeno do que um grande”. Muitas vezes ficamos preocupados por não sermos capazes de realizar coisas grandes e negligenciamos de fazer coisas menores, embora de grande significado. Na experiência que segue, seremos capazes de dar um

pequeno presente de alegria para alguns integrantes do grupo.”“.



2. Prosseguindo, o coordenador convida os integrantes para que escrevam mensagens para todos os integrantes de seu subgrupo.
3. As mensagens devem ser da seguinte forma:
a) Provocar sentimentos positivos no destinatário com relação a si mesmo;
b) Ser mais específicas, descrevendo detalhes próprios da pessoa ao invés de características muito genéricas;
c) Indicar os pontos positivos da pessoa dentro do contexto do grupo;
d) Ser na primeira pessoa;
e) Ser sinceras;
f) Podem ser ou não assinadas, de acordo com a vontade do remetente.
4. As mensagens são dobradas e o nome do destinatário é colocado do lado de fora.
5. Então elas são recolhidas e entregues aos destinatários.
6. Depois que todos tiverem lido as mensagens, segue-se à conclusão da dinâmica com um debate sobre as reações dos integrantes.



8) SALMO DA VIDA

Objetivos:
Definir a experiência de Deus na vida de cada integrante e agradecê-la.

Material:
Lápis e papel para os integrantes.

Desenvolvimento:
1. Cada integrante deve escrever a história de sua vida, destacando os acontecimentos marcantes.
2. O coordenador deve alertar o grupo de que experiências de dor e sofrimento podem ser vistas como formas de crescimento e não simples acontecimentos negativos.
3. Em seguida, os integrantes devem se perguntar qual foi à experiência de Deus que fizeram a partir dos acontecimentos descritos ou no decorrer de suas vidas.
4. Depois devem escrever o salmo da vida, da sua vida, uma oração de louvor, agradecimento, pedido de perdão e/ou clamor.
5. O desenvolvimento dos salmos deve-se realizar em um ambiente de paz e reflexão.
6. Então, os integrantes devem ser divididos em subgrupos de três ou quatro pessoas onde cada integrante deve partilhar sua oração.
7. Depois o grupo é reunido e quem quiser pode apresentar sua oração ao grupo.
8. Por último é realizado um debate sobre os objetivos da dinâmica e a experiência que a mesma trouxe para os integrantes.

Refletir:
1. Como se sentiu recordando o passado?
2. O que mais chamou a atenção?
3. Qual foi à reação para com acontecimentos tristes?
4. Como tem sido a experiência com Deus?
5. Qual a importância Dele em nossas vidas?
6. Pode-se ainda comparar os salmos redigidos com os salmos bíblicos.



9) PALAVRA ILUMINADA

Objetivos:
Verificar a opinião do grupo com relação a algum tema baseado em passagens bíblicas.

Material:
Uma vela e trechos selecionados da Bíblia que tratem do assunto a ser debatido.

Observação:
Para grupos cujos integrantes já se conhecem, a parte relativa à apresentação pode ser eliminada da dinâmica.

Desenvolvimento:
1. A iluminação do ambiente deve ser serena de modo a predominar a luz da vela, que simboliza Cristo iluminando os nossos gestos e palavras.
2. Os participantes devem estar sentados em círculo de modo que todos possam ver a todos.
3. O coordenador deve ler o trecho bíblico inicial e comentá-lo, sendo que a pessoa a sua esquerda deve segurar a vela.
4. Após o comentário do trecho, a pessoa que estava segurando a vela passa a mesma para o vizinho da esquerda e se apresenta ao grupo.
5. Em seguida esta pessoa realiza a leitura de outro trecho da bíblia indicado pelo coordenador e faz seus comentários sobre o trecho.
6. Este processo se realiza sucessivamente até que o coordenador venha a segurar a vela e se apresentar ao grupo.
7. Então, o coordenador lê uma última passagem bíblica que resuma todo o conteúdo abordado nas passagens anteriores.
8. Após a leitura desta passagem, os integrantes do grupo devem buscar a opinião do grupo como um todo, baseado nos depoimentos individuais, sobre o tema abordado.
9. Quando o consenso é alcançado apaga-se à vela.
10. Por último pode-se comentar a importância da Luz (Cristo) em todos os atos de nossas vidas.

10)UMA MENSAGEM EM FORMA DE FOGUETE

Objetivos:Enviar uma mensagem de ânimo a alguém. Descontração

Material:Folha de papel /música ambiente / música animada

Desenvolvimento:Ao som de uma música ambiente a Coordenadora pede que cada pessoa escreva na folha de papel uma mensagem, conscientizando-a que ela pode estar sendo usada por Deus para falar com alguém.Após escreverem a mensagem, fazer um foguete e como quando crianças, ao som de uma música animada. Começam a brincar jogando os foguetes,se cair , joga de novo até a música parar. Quando para o foguete que ficar na mão é a mensagem especial praquela pessoa.

Obs:Colocar nome e telefone para troca de experiências

Refletir:A Presença de Deus mesmo nas brincadeiras.

Deus fala de diversas maneiras





11)A VIAGEM

Objetivos:
Definir as prioridades pessoais.

Material:
Papel e caneta para cada integrante.

Desenvolvimento:
1. O coordenador pede para que cada pessoa escreva cinco sonhos pessoais de cada um.
2. E começa a dizer:
a) Lembrando que esses sonhos serão nossa bagagem de uma viagem muito especial, a viagem da nossa vida, iremos para outro país, numa longa jornada.
b) Com nossos sonhos em mãos e saindo de casa, temos nossa primeira dificuldade, nem todos os nosso sonhos cabem no carro que vai nos levar, assim temos que abandonar um.

c) Qual deles seria?
d) Seguindo viagem, nosso carro quebra e temos que seguir a pé, mas devido ao peso das nossas bagagens temos que deixar outra de lado, ficando somente com três.
e) Qual sonho foi abandonado?
f) Em nossa caminhada nos deparamos com um cachorro que começa a correr atrás de nós para nos atacar, e para podermos escapar de uma mordida temos que deixar outro sonho, ficando com dois sonhos.
g) Qual sonho ficou para trás?
h) Após um caminho tortuoso até a entrada no outro país, encontramos uma alfândega onde somos barrados e temos que seguir somente com uma mala, qual sonho deixamos?
h) Qual o nosso maior sonho que nunca abandonamos?

Para o plenário:
1. O carro cheio representa a nossa família e ou amigos que nos fazem desistir de alguns sonhos.
2. O peso das malas representa o tempo no qual tentamos realizar esse sonho que pelo cansaço desistimos.
3. O cachorro tem conotação de perseguição, assim como Jesus disse que seus discípulos seriam perseguidos, isso é uma purificação.
4. Finalmente a alfândega que significa a porta dos céus, nossa última passagem antes de assumir um único sonho para nossa vida inteira.

Refletir:
1. Qual hora foi mais difícil para abandonar um sonho?
2. O que me motiva durante as dificuldades?
3. Que retribuição devo esperar se seguir corretamente todos os meus passos nesta viagem?
4. Qual a retribuição que Deus deu para mim?



12)JOGO COMUNITÁRIO

Objetivos:
Descontrair e ao mesmo tempo ajudar a memorizar o nome dos outros participantes.

Material: uma flor.

Desenvolvimento:
1. Os participantes sentam-se em círculo e o animador tem uma flor na mão. Diz para a pessoa que está à sua esquerda :

”Senhor… (diz o nome da pessoa), receba esta flor que o senhor…(diz o nome da pessoa da direita) lhe enviou… ” E entrega a flor.

2. A pessoa seguinte deve fazer a mesma coisa.
3. Quem trocar ou esquecer algum nome, passará a ser chamado pelo nome de um bicho. Por exemplo, gato.
4. Quando tiverem que se referir a ele, os seus vizinhos, em vez de dizerem seu nome, devem chamá-lo pelo nome do bicho.
5. O animador deve ficar atento e não deixar os participantes entediados. Quanto mais rápido se faz a entrega da flor, mais engraçado fica o jogo.



13)JOGOS DE BILHETES

Objetivos:
Exercitar a comunicação entre os integrantes e identificar seus fatores.

Material:
Pedaços de papel com mensagens e fita adesiva.

Desenvolvimento:
1. As integrantes devem ser dispostos em um círculo, lado a lado, voltados para o lado de dentro do mesmo.
2. A coordenadora deve grudar nas costas de cada integrante um cartão com uma frase diferente.
3. Terminado o processo inicial, os integrantes devem circular pela sala, ler os bilhetes dos colegas e atendê-los, sem dizer o que está escrito no bilhete.
4. Todos devem atender ao maior número possível de bilhetes.
5. Após algum tempo, todos devem voltar a posição original, e cada integrante deve tentar adivinhar o que está escrito em seu bilhete.
6. Então cada integrante deve dizer o que está escrito em suas costas e as razões por que chegou a esta conclusão.
7. Caso não tenha descoberto, os outros integrantes devem auxiliá-lo com dicas.

Refletir:
1. O que facilitou ou dificultou a descoberta das mensagens?
2. Como esta dinâmica se reproduz no cotidiano?

Sugestões de bilhetes:
a) Em quem voto para presidente?
b) Como se faz arroz?
c) Sugira um nome para meu bebê?
d) Sugira um filme para eu ver?
e) Briguei com a sogra, o que fazer?
f) Cante uma música para mim?
g) Gosto quando me aplaudem.
h) Sou muito carente. Me dê um apoio.
i) Tenho piolhos. Me ajude!
j) Estou com fome. Me console!
k) Dance comigo.
l) Estou com falta de ar. Me leve à janela.
m) Me descreva um jacaré.
n) Me ensine a pular.
o) Dobre a minha manga.
p) Quero um telefone. Que faço?
q) Me elogie.
r) Me xingue.
s) Veja se estou com febre.
t) Chore no meu ombro.
u) Estou de aniversário, quero meu presente.
w) Sorria para mim.
v) Me faça uma careta?

14)TROCANDO CRACHÁS

Objetivos:
Facilitar a memorização dos nomes e um melhor conhecimento entre os integrantes.

Material:
Crachás com os nomes dos integrantes.

Desenvolvimento:1. A coordenadora distribui os crachás aos respectivos integrantes

2. Após algum tempo recolhem-se os crachás e cada um recebe um crachá que não deve ser o seu.

3. As integrantes devem passear pela sala a procura do integrante que possui o seu crachá para recebê-lo de volta.
4. Neste momento, ambos devem aproveitar para uma pequena conversa informal, onde procurem conhecer algo novo sobre o outro integrante.
5. Após todos terem retomado seus crachás, o grupo deve debater sobre as diferentes reações durante a experiência.



15)JUNTAS SOMOS MELHORES

Objetivos: A importância do trabalho em equipe.

Material:Papel

Desenvolvimento:A coordenadora entrega a cada componente a folha de papel e pede que apenas com uma mão e a outra para trás ela deve fazer um chapéu (pode ser também um barco ).Após tentarem umas conseguem outras não. A coordenadora pede que juntem-se de duas e cada uma com uma mão juntas vão tentar fazer o chapéu ou barco.

Conclusão: Vão perceber que ficou mais fácil e rápido juntas.



16)DINÂMICA DA CASA

Objetivos:
Despertar para a importância do indivíduo no grupo e na vida.

Material:
Uma cartolina e lápis de cor.

Desenvolvimento
1. A coordenadora deve desenhar um retângulo de cor fraca na cartolina e incentivar cada integrante a ajudar na construção de uma casa.
2. Cada um deve ser incentivado a refletir para que escolha as partes que o representam ou que deseja representar no grupo.
3. Depois de todos ilustrarem seu papel no grupo, cada um deve expor ao grupo a razão de seu desenho.
4. Ao final, a coordenadora deve ressaltar que Deus concede a graça a cada um de nós e essa graça é o nosso próprio modo de ser que, iluminado pela sabedoria do amor, é colocado a disposição das necessidades dos outros. Isso promove o crescimento mútuo, pois engloba a contribuição de cada um.
5. É bem verdade que somos seres individuais, únicos, mas que somos iguais perante o amor de Cristo. A vida na comunidade cristã exige serviço de nossos irmãos através do amor.
6. Cada um, de sua forma, sendo porta, janela, telhado, parede (todos os elementos que apareceram durante a dinâmica) é importante para a formação do todo, da casa.
7. Com nossa contribuição é possível construir um lugar de forte e mútuo crescimento espiritual, onde a gente se fortaleça para caminhar harmoniosamente dentro da comunidade cristã.





17)TRENZINHO

Objetivos:
Fazer com que as pessoas memorizem os nomes umas das outras.

Desenvolvimento:
1. Durante um curto tempo as pessoas podem andar pela sala relembrando o nome de todos os

participantes do grupo e reparando em pelo menos uma qualidade de cada um.
2. Passado esse tempo, um dos coordenadores, identificado como locomotiva, sai correndo em volta da sala e diz o nome e qualidade de alguém, que se prende a locomotiva chamando outra pessoa pelo nome e destacando uma qualidade.
3. Segue-se até formar o trem com todos participantes.

18)ANÚNCIOS CLASSIFICADOS

Objetivos:
Apresentar pessoas que quase não se conhecem.

Material:
Papel e caneta para cada um.

Desenvolvimento:
1. Cada participante recebe uma folha em branco e nela escreve um anúncio classificado sobre ele mesmo, se oferecendo para um serviço, curso ou outra coisa.
2. A folha não pode conter nome.
3. Os classificados são afixados na parede e os participantes devem ler os anúncios e durante 20 minutos tentar descobrir quem são as pessoas anunciadas.
4. Em seguida o coordenador deve perguntar:
a) quem se reconheceu através dos anúncios classificados,
b) quantas pessoas pensavam se conhecer e descobriram que não se conheciam direito,
c) como cada um se sentiu ao ver seu anúncio sendo lido pelos outros,
d) o que falta para que o grupo se conheça melhor.

19)PALAVRA QUE TRANSFORMA

Objetivos:
Fazer o grupo refletir de que forma assimilamos a PALAVRA DE DEUS em nossas vidas.

Material:
Uma bolinha de isopor, um giz, um vidrinho de remédio vazio, uma esponja e uma vasilha com água.

Descrição:
1. Se explica que a água é a Palavra de Deus e que o objeto somos nós.
2. Depois se coloca a água na vasilha, e alguém mergulha o isopor.
3. Após ver o que ocorre com o isopor, mergulhar o giz, depois o vidro de remédio e por último a esponja.
Explicar que a água é a Palavra de Deus e os objetos somos nós.

Desenvolvimento:
1. Dê um objeto para cada pessoa.
2. Colocar primeiro a bolinha de isopor na água.
Refletir: o isopor não afunda e nem absorve a água.
a) Como nós absorvemos a Palavra de Deus?
b) Somos também impermeáveis?
3. Mergulhar o giz na água.

Refletir: o giz retém a água só para si, sem repartir.
a) E nós?
4. Encher de água o vidrinho de remédio. Despejar toda a água que ele se encheu.

Refletir : o vidrinho tinha água só para passar para os outros, mas sem guardar nada para si mesmo.
a) E nós ?
5. Mergulhar a esponja e espremer a água.
Refletir: a esponja absorve bem a água e mesmo espremendo ela continua molhada.

Iluminação Bíblica:
Is 40,8 ; Mt 7,24 ; 2Tm 3,16



20)ABRA O OLHO MEU IRMÃO

Objetivos:
Tomar consciência da luta desigual que enfrentamos em nossa sociedade.

Material:
Dois panos para fechar os olhos e dois chinelos ou porretes feitos com jornais enrolados em forma de cassetete.

Desenvolvimento:
1. Dois voluntários devem ter os rostos cobertos e devem receber um chinelo ou porrete.
2. Depois devem iniciar uma briga de cegos, para ver quem acerta mais o outro no escuro.
3. O restante do grupo apenas assiste.
4. Assim que inicia a “briga”, o coordenador faz sinal para o grupo não dizer nada e desamarra a venda dos olhos de um dos voluntários e deixa a briga continuar.
5. Depois de um tempo suficiente para que os resultados das duas situações sejam bem observados, o coordenador retira a venda do outro voluntário e encerra a experiência, abrindo um debate sobre o que se presenciou no contexto da sociedade atual.

Refletir algumas posturas como:
1. indiferença x indignação;
2. aplaudir o agressor x posicionar-se para defender o indefeso;
3. lavar as mãos x envolver-se e solidarizar-se com o oprimido, etc.

Alguns questionamentos podem ajudar:
1. Primeiro perguntar aos voluntários como se sentiram e o por quê.

Depois dar a palavra aos demais participantes:
1. Qual foi a postura do grupo?
2. Para quem torceram?
3. O que isso tem a ver com nossa realidade?
4. Quais as cegueiras que enfrentamos hoje?
5. O que significa ter os olhos vendados?
6. Quem estabelece as regras do jogo da vida social, política e econômica hoje?
7. Como podemos contribuir para tirar as vendas dos olhos daqueles que não enxergam?

Iluminação Bíblica:
Mc 10, 46-52 ou Lc 24, 13-34.





21)EVANGELHO EM PEDAÇOS

Objetivos:
Estimular a procura e análise de passagens da Bíblia.

Material:
Papéis com pequenos trechos da Bíblia (partes de passagens) com indicação do livro, capítulo e versículos.

Desenvolvimento:
1. Cada integrante recebe um trecho da Bíblia e procura compreendê-lo.
2. Para melhorar a compreensão do trecho, deve consultar a passagem completa na Bíblia.
3. Em seguida, os integrantes devem ler o seu trecho e comentá-lo para o grupo.
4. Ao final, é aberto o debate sobre os trechos selecionados e as mensagens por eles transmitidas.

22)O GUIA DO CEGO

Objetivos:
Compreender a importância dos outros no crescimento individual.

Material:
Alguns lenços, bastões (pare servir de bengalas) e uma área com obstáculos, de preferência em campo aberto.

Desenvolvimento:
1. A coordenadora venda os olhos de quatro ou mais pessoas e fornece uma bengala para cada um, enquanto os outros integrantes permanecem como observadores para tomar nota da forma como os cegos se comportam.
2. Os cegos devem caminhar desviando-se dos obstáculos durante determinado intervalo de tempo.

Refletir:
1. Como vocês se sentiram sem poder enxergar?
2. Tiveram medo? Por quê? De quê?
3. Que acham da sorte dos cegos?

Prosseguindo:
1. Em seguida, com os mesmos ou outros cegos é substituído o bastão por um guia dentre os integrantes observadores que conduzirá o cego por onde quiser.

Refletir:
1. Como vocês se sentiram nas mãos dos guias?
2. Tiveram confiança ou desconfiança? Por quê?
3. É preferível um bastão ou um guia? Por quê?

Continuação
1. Por último, dispõe-se dois voluntários de cego, sendo que um guiará o outro.
2. Ao final, pode-se realizar os mesmos questionamentos do passo anterior.

Refletir:
1. O que a dinâmica teve de parecido com a vida de cada um?
2. Além da cegueira física, vocês conhecem outros tipos de cegueira? Quais? (ira, ignorância, inveja, apatia, soberba, etc.)
3. Os homens tem necessidade de guias? Quem são os outros guias? (família, educadores, amigos, os exemplos, etc.)
4. Costumamos confiar nestes guias? O que acontece com quem não aceita o serviço de um guia?
5. Qual a pior cegueira: a física ou a de espírito? Por quê?

Iluminação Bíblica:
O Evangelho relata várias curas de cegos (Mt 9,27-32; Lc 15, 35-43; Jo 9,1-39).
a) Qual a semelhança que se pode encontrar, por exemplo, entre o relato de São Lucas e a sociedade moderna?
b) Qual a semelhança entre a cura da vista e a missão da igreja de conscientização?

23)A MACA

Objetivos:
Avaliar nossos laços de amizade.



Material:
Papel e caneta para cada um.

Desenvolvimento:
1. Primeiro se lê o texto base do evangelho: a cura do paralítico que é levado pelos seus amigos. (Lc 5,17-26: Mc 2,1-12; Mt 9,1-8).
2. Assim coordenador distribui a folha e caneta para todos, e pede para que cada um desenhe uma maca em sua folha.
3. Na ponta de cada braço, cada um deve escrever o nome de um amigo que nos levaria a Jesus.
4. Depois se pede para desenhar outra maca e no meio dela colocar o nome de quatro amigos que levaríamos para Jesus.

Refletir:
1. Assumimos nossa condição de amigo de levar nossos amigos até Jesus?
2. Existem quatro amigos verdadeiros que se tenham comprometido a suportar-me sempre?
3. Conto incondicionalmente com quatro pessoas para as quais eu sou mais importante do que qualquer coisa?
4. Tenho quatro pessoas que me levantam, se caio, e corrigem, se erro, que me animam quando desanimo?
5. Tenho quatro confidentes, aos quais posso compartilhar minhas lutas, êxitos, fracassos e tentações?
6. Existem quatro pessoas com quem eu não divido um trabalho e sim uma vida?
7. Posso contar com quatro amigos verdadeiros, que não me abandonariam nos momentos difíceis, pois não me amam pelo que faço, mas, pelo que sou?
8. Sou incondicional de quatro pessoas?
9. Há quatro pessoas que podem tocar na porta da minha casa a qualquer hora?
10. Há quatro pessoas que, em dificuldades econômicas, recorreriam a mim?
11. Há quatro pessoas que sabem serem mais importantes para mim, que meu trabalho, descanso ou planos?
12. No trecho do evangelho observamos algumas coisas como?
a) lugar onde uns necessitam ajuda e outros prestam o serviço necessário.
b) o ambiente de amor, onde os amigos carregam o mais necessitado que não pode caminhar por si mesmo.
c) os amigos se comprometem a ir juntos a Jesus, conduzindo o enfermo para que seja curado por ele.
d) deixar-se servir pelos irmãos.
e) uma vez curado, carregar o peso da responsabilidade.



24)EXPLOSÃO DO COORDENADOR

Objetivos:
Criar impacto nos participantes do grupo através de uma dramatização exagerada, a fim de sentir melhor as reações dos indivíduos.

Desenvolvimento:·1. Escolhe-se qualquer tema que não será o principal da reunião e a uma certa altura do debate o coordenador pára e diz: ·(a) “Vocês não estão se interessando suficientemente. Estou até doente e cansado em ver esse comportamento, esse desinteresse caso não tomem maior seriedade, interrompo, agora mesmo, este debate!”.
2. Após esse comentário todos estarão desconcertados e terão reações diferentes principalmente reprovando a atitude do coordenador.

3. Após o primeiro impacto o coordenador, em seu estado natural deverá explicar que era uma dramatização para ver as reações dos indivíduos do grupo, e nisso seguirá a discussão, sobre as reações das pessoas com reação a explosão do coordenador.

OBS.: Indicado para grupos que já tenham uma certa maturidade.

25)EXERCÍCIO DA QUALIDADE

Objetivos:
Conscientizar os membros do grupo para observar as boas qualidades nas outras pessoas; despertar as pessoas para qualidades até então ignoradas por elas mesmas.

Material:
Lápis e papel.

Desenvolvimento:
1. A coordenadora inicia dizendo que na vida as pessoas observam não as qualidades mas sim os defeitos dos outros.
2. Nesse instante cada qual terá a oportunidade de relatar uma qualidade do colega.
I. A coordenadora distribuirá uma papeleta para todos os participantes. Cada qual deverá escrever nela a qualidade que no seu entender caracteriza seu colega da direita;
II. A papeleta deverá ser completamente anônima, sem nenhuma identificação. Para isso não deve constar nem o nome da pessoa da direita, nem vir assinada;
III. A seguir o animador solicita que todos dobrem a papeleta para ser recolhida, embaralhada e redistribuída;
IV. Feita a redistribuição começando pela direita do coordenador, um a um lerá em voz alta a qualidade que consta na papeleta, procurando entre os membros do grupo a pessoa que, no entender do leitor, é caracterizada com esta qualidade. Só poderá escolher uma pessoa entre os participantes.
V. Ao caracterizar a pessoa, deverá dizer porque tal qualidade a caracteriza;
VI. Pode acontecer que a mesma pessoa do grupo seja apontada mais de uma vez como portadora de qualidades, porém, no final cada qual dirá em público a qualidade que escreveu para a pessoa da direita;
VII. Ao término do exercício, a coordenadora pede ao participante depoimento sobre o mesmo.





26)QUALIDADE DO LÍDER DEMOCRÁTICO

Objetivos:
Conscientizar os membros do grupo sobre as qualidades que são básicas de um líder democrático; possibilitar os participantes a uma tarefa grupal, no sentido de conseguir uma unanimidade em relação a definições que caracterizam o líder democrático.

Material:
Caneta; uma cópia da relação de definições e das qualidades;

Desenvolvimento:·(a) A coordenadora inicia falando sobre os quatro tipos de líderes, procurando enfatizar as características de cada um.
b) Formando subgrupos demonstrará com ênfase, primeiro um líder autoritário, depois mudando o subgrupo demonstra a líder paternalista, com novas voluntárias demonstra a líder anárquica e por último demonstra uma líder democrática.
c) Após apresentar sem informar qual tipo de líder é, pedir ao grupo para defini-los e nomeá-los um a um, explicando depois um a um.
d) Após a nomenclatura distribui-se as qualidades da líder democrática, para cada membro, e discute-se sobre cada um.

Definições:
1. Sabe o que fazer, sem perder a tranqüilidade. Todos podem confiar nele em qualquer emergência.
2. Ninguém se sente marginalizado ou rejeitado por ele. Ao contrário, sabe agir de tal forma que cada um se sente importante e necessário no grupo.
3. Interessar-se pelo bem do grupo. Não usa o grupo para interesses pessoais.
4. Sempre pronto para atender.
5. Mantém calmo nos debates, não permitindo abandono do dever.
6. Distingue bem a diferença entre o falso e o verdadeiro, entre o profundo e o superficial, entre o importante e o acessório.
7. Facilita a interação do grupo. Procura que o grupo funcione harmoniosamente, sem dominação.
8. Pensa que o bem sempre acaba vencendo o mal. Jamais desanima diante da opinião daqueles que só vêem perigo, sombra e fracassos.
9. Sabe prever, evita a improvisação. Pensa até nos menores detalhes.
10. Acredita na possibilidade de que o grupo saiba encontrar por si mesmo as soluções, sem recorrer sempre à ajuda dos outros.
11. Dá oportunidade para que os outros se promovam e se realizem. Pessoalmente, proporciona todas as condições para que o grupo funcione bem.
12. Faz agir. Toma a sério o que deve ser feito. Obtém resultados.
13. É agradável. Cuida de sua aparência pessoal. Sabe conversar com todos.
14. Diz o que pensa. Suas ações correspondem com suas palavras.
15. Enfrenta as dificuldades. Não foge e nem descarrega o risco nos outros.
16. Busca a verdade com o grupo, e não passa por cima do grupo.

Qualidades: Seguro ,Acolhedor ,Desinteressado ,Disponível ,Firme e suave , Juízo madurO Catalisador ,Otimista , Confiança nos outros ,Dá apoio ,Eficaz ,Sociável,Sincero , Corajoso, Democrático.



27)O TRABALHO EM EQUIPE

Objetivo:
Ressaltar a importância do trabalho em equipe

Desenvolvimento:
A aplicação da técnica, inicia-se com as pessoas reunidas em círculo e no centro uma bexiga para

cada participante.Cada pessoa, pega enche a sua bexiga e após amarrá-la é dada à proposta de que o grupo deve mantê-las voando. Então, o monitor responsável pela dinâmica deve ir retirando os participantes lentamente, um por vez. O número de bexigas continuará o mesmo, porém o número de pessoas será cada vez menor, até chegar a ponto de não mantê-las mais suspensas.

28)UNIÃO FAZ A FORÇA (Eclesiastes 4: 9-12)

Material: fios finos de barbante ou de lã (em pedaços de mais ou menos 30cm) ou palitos de churrasquinho.

Distribuir entre os participantes os fios de barbante, pedir que cada um analise a aparência, utilidade e propósito daquele pedaço de barbante, (cerca de 2 minutos, para não ficar cansativo) .

Desenvolvimento:

Pedir para que eles arrebentem e observem como foi fácil.

Depois, pedir que cada um ofereça o maior pedaço que lhe sobrou para formar um feixe de

barbantes e pedir a alguns voluntários que tentem arrebentar este feixe.

Observem como fica mais difícil se à medida que o feixe fica grosso. Para concluir leia o texto bíblico e discutam sobre a relação com a dinâmica e o grupo.



29)MEDO DE DESAFIOS (Silene, Ev. Quadrangular, SP)

Material:

Caixa com chocolate e aparelho de som (rádio ou CD)

Encha a caixa com um jornal para que não se perceba o que tem dentro. Coloque no fundo o chocolate e um bilhete: COMA O CHOCOLATE!

Desenvolvimento:

Pede-se a turma que faça um circulo,. A coordenadora segura a caixa e explica o seguinte para a turma: Estão vendo esta caixa? Dentro dela existe uma ordem a ser cumprida, vamos brincar de batata quente com ela, e aquele que ficar com a caixa terá que cumprir a tarefa sem reclamar, independente do que seja…ninguém vai poder ajudar, o desafio deve ser cumprido apenas por

quem ficar com a caixa (é importante assustar a turma para que eles sintam medo da caixa, dizendo que pode ser uma tarefa extremamente difícil ou vergonhosa).

Começa a brincadeira com a musica ligada,devem ir passando a caixa de um para o outro. Quando a musica for interrompida (a coordenadora deve estar de costas para não ver com quem está a caixa) aquele que ficou com a caixa terá que cumprir a tarefa…é importante que a coordenadora faça comentário do tipo: Você está preparado? Vai abrir a caixa agora? Você pode desistir se quiser?

Depois de muito suspense quando finalmente o jovem abre a caixa encontra a gostosa surpresa. (O jovem não pode repartir o presente com ninguém).

O objetivo desta brincadeira é mostrar como somos covardes diante de situações que possam representar perigo ou vergonha.

Devemos aprender que em Deus podemos superar todos os desafios que são colocados a nossa frente, por mais que pareça tudo tão desesperador, o final pode ser uma feliz notícia.





30)CIRCULO FECHADO

Lucia – Assembléia de Deus , PE

Desenvolvimento:

A coordenadora pede a duas ou três pessoas que saiam da sala por alguns instantes.

O grupo que ficar na sala combinara que eles formarão um circulo apertado com os braços entrelaçados r não deixarão de forma nenhuma os componentes que estão fora da sala entrar no círculo.

Enquanto o grupo se arruma, o coordenador combina com os que estão fora que eles devem entrar e fazer do grupo.

Depois de algum tempo de tentativa será interessante discutir com o grupo como se sentiram não deixando ou não conseguindo entrar no grupo.

Compartilhar e discutir: muitas vezes formamos verdadeiras´panelas´´ e não deixamos outras pessoas entrar esse sentir bem no nosso meio.

Como temos agido com as pessoas novas na Igreja ou no nosso grupo?

31)AJUDANDO UNS AOS OUTROIS A CARREGAR OS PROBLEMAS

Material: Bexiga, tira de papel

Desenvolvimento:

Formação em um círculo, uma bexiga vazia para cada participante, com uma tira de papel dentro

(que terá uma palavra para o final da dinâmica).

A coordenadora dirá para o grupo que aquelas bexigas são os problemas que enfrentamos

No nosso dia a dia (de acordo com a vivência de cada um), desinteresse, intrigas,fofocas, competições, inimizades, etc.

Cada um deverá encher a sua bexiga e brincar com ela jogando-a para cima com as diversas partes do corpo, depois com os outros participantes sem deixar a mesma cair.

Aos poucos o coordenador pedirá para alguns dos participantes deixarem sua bexiga no ar e sentarem , os restantes continuam no jogo. Quando o coordenador perceber que quem ficou no centro não esta dando conta de segurar todos os problemas peça para que todos voltem ao circulo e então ele pergunta:

*quem ficou no centro, o que sentiu quando percebeu que estava ficando sobrecarregado.

*quem saiu o que sentiu.

Depois destas colocações, a coordenadora dará os ingredientes para todos os problemas, para mostrar que não é tão difícil resolvermos problemas quando estamos juntos.

Ele pedirá aos participantes que estourem as bexigas e peguem o seu papel com o seu ingrediente, um a um deverão ler e fazer um comentário para o grupo o que aquela palavra significa para ele.

Dicas de palavras ou melhores ingredientes: amizade, solidariedade, confiança, cooperação, apoio, aprendizado, humildade, tolerância, paciência, dialogo, alegria, prazer, tranqüilidade, troca, critica, motivação, aceitação, etc…

(As palavras devem ser feitas de acordo com o seu objetivo).

32)ARTE COLETIVA

Objetivo: Alem dos objetivos anteriores de unidade e compreensão das diversidades (dons, de personalidades…), esta dinâmica exige um bom grau de confiança entre as participantes para que possam expor seu lado ´´artístico´´ que muitas pessoas tem receio de demonstrar e receber criticas.

Grupo: ate 20 pessoas

Material: Papel padrão (algumas folhas), fita adesiva- durex para colar e expor o trabalho, cola e material diverso (papeis,algodão,fios,barbantes,isopor, e outros).

Desenvolvimento:

Apresentar o material numa caixa, explicando ao grupo que deverão montar uma paisagem de forma coletiva.

Ao término de trabalho, deverão escolher um titulo. A apresentadora deve salientar que cada uma pode ajudar da melhor forma: umas desenham, outras recortam, outras sugerem idéias…

Há diferentes formas de atuação,mas é o mesmo Deus quem efetua tudo em todos´´.

( I Corintos 12:6 )



33)JOGO DO ESPELHO

Objetivo: Perceber a outra pessoa e perceber-se no outro também. Saber que outras pessoas imitam você em características que admiram.

Desenvolvimento: Em duplas, uma participante de frente a outra, de pé. Uma delas comanda o jogo, fazendo gestos que a outra tem de imitar de forma espelhada, o mais preciso possível. Depois, invertem-se os papéis, quem comandou vai imitar. O jogo acaba sendo engraçado, mas durante o desenrolar, percebe-se gestos, manias e características que nunca tinham percebido antes na outra pessoa e em si mesma. È importante não só para ressaltar qualidades positivas, mas para perceber a características que precisam ser mudadas





34)SURPRESA NA CAIXA

Objetivo: Valorizar a si mesma à medida que cada uma é criada á imagem e semelhança do próprio Deus.

Material: Caixa com tampa, forrada ou ornamentada, contendo dentro um espelho (este deve ser mantido em sigilo).

Desenvolvimento: A apresentadora organiza o grupo em círculo, sentado e mantendo uma certa distância entre si. Fala que será passada uma entre elas uma caixa cada uma irá abrir e ver a imagem de uma pessoa muito importante para a nossa comunidade (sociedade, igreja…). Cada uma deverá ver esse personagem importante e sem outros comentários, dirigir um elogio para essa imagem que esta vendo. As pessoas tem reações diversas , mas todas acabem por atribuir um elogio à imagem, que na verdade e de si mesma. Durante a dinâmica deve-se executar um hino

apropriado e após a conclusão deixar que todas as participantes falem. Muitas achavam que havia na caixa uma imagem de Jesus, de um político… É importante que elas saibam o quanto é importante na obra de Deus a qual esta sendo efetuada ali naquele grupo.

35)DESENHO DOS PÉS

Objetivos:
Socializar, integrar, perceber a necessidade de assumir compromissos, crescer, valorizar-se.

Material:
Uma grande folha de papel e lápis colorido para cada participante.

Desenvolvimento
A coordenadora motiva os participantes a desenharem num grande papel o próprio pé.
Em seguida, encaminha a discussão, de forma que todos os participantes tenham oportunidade de dizer o que pensam.
Todos os pés são iguais?
Estes pés caminham muito ou pouco?
Por que precisam caminhar?
Caminham sempre com um determinado objetivo?
Quanto já caminhamos, lembrar de pessoas que lutaram por objetivos concretos e conseguiram alcançá-los.
Terminada a discussão, o animador convida a todos que escrevam no pé que desenharam algum compromisso concreto que irão assumir.

36)UMA VIAGEM ATRAPALHADA

Arrume as malas:
Vamos usar um pouco de imaginação. Dentro de algumas horas você vai viajar para uma ilha não civilizada para morar lá durante alguns anos. A viagem é longa, mas seu navio não permite que leve muita bagagem. Apenas dez objetos podem ser carregados. Estes objetos podem ser de qualquer tamanho, peso ou valor.
Trata-se de mais uma esquisitice dessas companhias de navegação. Não tem jeito, e mesmo com toda a argumentação possível a única solução é começar a fazer sua lista dos dez objetos que você considera mais importantes. De certa forma, isto vai acabar revelando seus valores. A única coisa que pode levar fora da lista, é a Bíblia.
Anote no papel qualquer coisa que lhe venha à mente. Pode ser o carro, o cão de estimação, fogão, televisão, material de costura, etc. Qualquer coisa. Uma dica é que ao confeccionar sua lista, lembre-se de que o lugar não é civilizado e totalmente sem recursos

Um inconveniente de última hora:
Agora que você tem tudo organizado, devidamente encaixotado, embarcado e encontra-se já em

alto mar, surge um problema de última hora. Sérias avarias no navio obriga toda a tripulação a aliviar a carga. O comandante ordena que você jogue cinco objetos de sua lista no mar. A decisão é difícil, mas tem que ser obedecida. Agora faça uma nova lista e fique apenas com aqueles objetos que considera de maior valor.

Compartilhe sua decisão:
Forme grupos de três a cinco pessoas e cada um diz quais foram as cinco coisas com as quais escolheu ficar e quais resolveu jogar fora. Todos devem explicar o porquê da sua escolha. Neste momento todos acabarão por revelar quais são os seus maiores valores atualmente.
Alguém podem ter escolhido um trombone por gostar demais da música. Outro levaria o cachorro por gostar de brincar com ele. O compartilhar poderá ser feito com todos juntos se assim preferirem.
Uma pessoa regenerada procurará colocar Deus em primeiro lugar. Isto afetará todo o seu sistema de valores. “Quem está em Cristo, é nova criatura” (2Co.5.17). Quando escolhi os valores do Reino, todas as minhas decisões devem ter por detrás delas agradar a Deus. Se foi esta a motivação da sua escolha, tudo bem. De qualquer forma, é bom que o restante do grupo saiba do que realmente gosto.

Iluminação bíblica:
“Pois, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, quer vivamos quer morramos, somos do Senhor” (Rm.14, 8).



37)DE QUEM SERÁ O PRESENTE
Elaine Turola

Material: 1 Presente (pode ser bombons com mensagens, ou outra lembrancinha, mas que tenha uma para cada pessoa. Deve estar em uma caixa bonita de presente, que desperte a curiosidade de todos.)

Desenvolvimento: Pensar em pessoas que sejam organizadas, felizes, meigas, extrovertidas, corajosa, inteligente, simpáticas, dinâmicas, solidárias, alegres, elegantes, bonitas, transmite paz. (Se quiser pode acrescentar mais algum, de acordo com o grupo)

Comece fazendo o sorteio entre todos os participantes, sorteando uma pessoa.

1.Parabéns!! Você tem muita sorte, foi sorteado com este presente. Ele simboliza a compreensão, a confraternização e a amizade que temos e ampliaremos. Mas o presente não será seu. Observe os amigos e aquele que considera mais organizado será o ganhador dele.

2.A organização é algo de grande valor e você é possuidor desta virtude, irá levantar-se para entregar este presente ao amigo que você achar mais fé.

3.Você é feliz, construa sempre a sua felicidade em bases sólidas. A felicidade não depende dos outros, mas de todos nós mesmos, mas o presente ainda não será seu. Entregue-o para uma pessoa que na sua opinião é muito meiga.

4.A meiguice é algo muito raro, e você a possui, parabéns. mas o presente ainda não será seu. E você com jeito amigo não vai fazer questão de entregá-lo a quem você acha mais extrovertida

5.Por ter este jeito tão extrovertido é que você está sendo escolhido para receber este presente, mas infelizmente ele é seu, passe-o para quem você considera muito corajoso.

6.Você foi contemplada com este presente, e agora demonstrando a virtude da coragem pela qual você foi escolhida para recebê-lo, entregue-o para quem você acha mais inteligente.

7.A inteligência nos foi dada por Deus, parabéns por ter encontrado espaço para demonstrar este talento, pois muitos de nossos irmãos são inteligentes, mas a sociedade muitas vezes os impede que desenvolvam sua inteligência. Agora passe o presente para quem você acha mais simpático.

8.Para comemorar a escolha distribua largos sorrisos aos amigos, o mundo está tão amargo e para melhorar um pouco necessitamos de pessoas simpáticas como você. Parabéns pela simpatia, não fique triste, o presente não será seu, passe-o a quem você acha mais dinâmica.

9.Dinamismo é a fortaleza, coragem, compromisso e energia. Seja sempre agente multiplicador de boas idéias e boas ações em seu meio. Precisamos de pessoas como você, parabéns, mas passe o presente a quem você acha mais solidário.

10.Solidariedade é a coisa rara no mundo em que vivemos, de pessoas egocêntricas. Você está de parabéns por ser solidário com seus colegas, mas o presente não será seu, passe-o a quem você acha mais alegre.

11.Alegria!!! Você nessa reunião poderá fazer renascer em muitos corações a alegria de viver, pessoas alegres como você transmitem otimismo e alto astral. Com sua alegria passe o presente a quem você acha mais elegante.

12.Parabéns a elegância completa a citação humana e sua presença se torna mais marcante, mas o presente não será seu, passe-o para aquele amigo que você acha mais bonito.

13.Que bom!!! Você foi escolhido o amigo mais bonito entre o grupo, por isso mostre desfilando para todos observarem o quanto você é bonito. Mas o presente não será seu, passe-o para quem lhe transmite paz.

14.O mundo inteiro clama por paz e você gratuitamente transmite esta tão riqueza, parabéns!!! Você está fazendo falta as grandes potências do mundo, responsáveis por tantos conflitos entre a humanidade. O presente é seu!!! Pode abri-lo. (espere a pessoa começar a abrir o presente e antes de completar, pede para esperar um pouco e continua lendo). Com muita paz, abra o presente e passe-o a todos os seus amigos e deseje-lhes em nome de todos nós, muita paz.

38)BRASA NO BRASEIRO
João Clemente Dantas do Rego Barros, Luterana – RJ

Duração: aprox. 15 min
Material: 1 braseiro com várias brasas acesas; 1 caixa de areia; 1 pinça.

Ao início de uma reunião, o palestrante tira uma brasa do braseiro e coloca na caixa de areia, informando aos presentes que ao final voltará àquela brasa. Segue-se a palestra ou atividade.

Ao final, antes de despedir a assistência, mostra que a brasa que foi isolada na caixa de areia está quase apagada, podendo até ser tocada com a mão, enquanto as demais, que se mantiveram juntas, trocaram entre si e mantiveram o calor. Neste ponto o palestrante traça um paralelo entre as brasas no braseiro e os cristãos na Igreja, mantendo o “Fogo da Fé”, etc.

39)LUZ VERSOS MEDO.
Milena, Verbo Vivo, SP.

Material: uma vela para cada participante, fósforo ou isqueiro e 2 bexigas (bola inflável)

Encha as duas bexigas e deixe escondidas; você vai precisar de um ajudante para estourá-las no momento combinado, sem que os outros saibam.
A sala precisa estar completamente escura. Conduza os participantes a fazerem silêncio e diminuirem a agitação. Quando a sala estiver quieta, o ajudante estoura a bexiga.
Acenda uma vela, mostre a causa do barulho e pergunte quem se assustou e porque.
Direcione a conversa para o valor da luz, pois quando estamos nas trevas até mesmo uma coisa simples como uma bexiga estourando nos assusta. Compare com Jesus ser a luz da nossa vida.

Chame a atenção dos participantes para a iluminação; quem está em destaque, quem está no escuro, se todos podem ver uns aos outros bem. Converse se no mundo é assim; como as pessoas vêem a presença de cada um dos participantes; como o falar sobre Jesus e a salvação é como ter uma vela acessa. Comece a falar sobre a importância de haver mais luzes acesas (Jesus).
Dê a cada um uma vela e a acenda com a sua; fale de como espalhar o Evangelho.
Assim que a sala estiver toda iluminada, estoure a outra bexiga. Converse sobre a diferença no susto – maior ou menor que enquanto estava escuro, e o quanto a luz de Jesus nos afasta e nos ajuda a lidar com medo e sustos da vida. Encerre com uma música relacionada ao tema.

40) LOTERIA DE APRESENTAÇÃO

Objetivo: Favorecer o conhecimento entre os participantes de um grupo.

Passos

O coordenador entrega uma ficha e um lápis a cada participante, pedindo que escrevam seu nome e a devolvam à ele.
Entrega a seguir, o cartão de loteria, como o modelo abaixo:






e pede aos presentes que anotem o nome de seus companheiros à medida que forem lidos pelo coordenador, de acordo com as fichas entregues pelo grupo. Cada qual escreve no espaço que desejar.

3- Quando todos estiverem com o seu cartão pronto, o coordenador explica como jogar: conforme forem sendo repetidos os nomes dos participantes, cada um vai assinalando o cartão, no lugar onde consta o nome citado, como em uma cartela de bingo. A primeira pessoa que completar uma fileira, ganhará dez pontos.

O exercício poderá ser repetido várias vezes.

41)CARTÃO MUSICAL

Objetivo

1- Facilitar o relacionamento entre os participantes de um grupo.

Passos

1- Coordenador distribui um cartão, um lápis e um alfinete para cada participante e pede que cada um escreva no cartão o nome e prenda-o na blusa. (Não pode ser apelido)

2- Os participantes sentam-se em círculo. O coordenador coloca-se no centro e convida os demais a cantar:

“Quando vim para este grupo, um(a) amigo(a) eu encontrei (o coordenador escolhe uma pessoa) como estava ele(a) sem nome, de (nome da pessoa) eu o(a) chamei.

Oh! amigo(a), que bom te encontrar, unidos na amizade iremos caminhar”(bis).

(Melodia: Oh, suzana!!)

3- O coordenador junta-se ao círculo e a pessoa escolhida, entoa a canção, ajudada pelo grupo, repetindo o mesmo que o coordenador fez antes. E assim prossegue o exercício até que todos tenham se apresentado.

4- A última pessoa entoa o canto da seguinte maneira:

“Quando vim para este grupo, mais amigos encontrei, como eu não tinha nome, de …(cada um grita seu nome) eu o chamei.

Oh! amigos(as), que bom nos encontrar, unidos lutaremos para o mundo melhorar (bis)”

Avaliação

1- Para que serviu a dinâmica?

2- Como nos sentimos?

42)SORRISO MILIONÁRIO

Material: bolinhas de papel amassado
Procedimento:
Essa dinâmica é usada para descontrair e integrar o grupo de uma forma divertida. Cada bolinha vale R$1.000,00. O professor distribuirá para cada pessoa do grupo 5 bolinhas de papel, essas deverão estar dispersas no local onde será realizada a brincadeira. Dado o sinal os alunos deverão sair e procurar um companheiro, em seguida devem parar em sua frente, olhar fixamente nos olhos desse companheiro que por sua vez não pode sorrir. Quem sorrir primeiro paga uma bolinha para a pessoa a quem sorriu. Vence quem terminar a brincadeira com mais “dinheiro”, que será o milionário.

43)DINÂMICA DO 1, 2, 3

Objetivo: Quebra-gelo
Procedimento:
1º momento: Formam-se duplas e então solicite para que os dois comecem a contar de um a três, ora um começa, ora o outro. Fica Fácil.
2º momento: Solicite que ao invés de falar o número 1, batam palma, os outros números devem ser pronunciados normalmente.
3º momento: Solicite que ao invés de falar o número 2, que batam com as duas mãos na barriga, o número 3 deve ser pronunciado normalmente. Começa a complicar.
4º momento: Solicite que ao invés de falar o número 3, que dêm uma “reboladinha”.
A situação fica bem divertida.

44)DINÂMICA DO AMOR

Objetivo: Moral: Devemos desejar aos outros o que queremos para nós mesmos.
Procedimento:
Para início de ano Ler o texto ou contar a história do “Coração partido” – Certo homem estava para ganhar o concurso do coração mais bonito. Seu coração era lindo, sem nenhuma ruga, sem nenhum estrago. Até que apareceu um velho e disse que seu coração era o mais bonito pois nele havia. Houve vários comentários do tipo: “Como seu coração é o mais bonito, com tantas marcas?” O bom velhinho, então explicou que por isso mesmo seu coração era lindo. Aquelas marcas representavam sua vivência, as pessoas que ele amou e que o amaram. Finalmente todos concordaram , o coração do moço, apesar de lisinho, não tinha a experiência do velho.” Após contar o texto distribuir um recorte de coração (chamex dobrado ao meio e cortado em forma de coração), revistas, cola e tesoura. Os participantes deverão procurar figuras que poderiam estar dentro do coração de cada um. Fazer a colagem e apresentar ao grupo. Depois cada um vai receber um coração menor e será instruido que dentro dele deverá escrever o que quer para o seu coração. Ou o que quer que seu coração esteja cheio.. O meu coração está cheio de… No final o instrutor deverá conduzir o grupo a trocar os corações, entregar o seu coração a outro. Fazer a troca de cartões com uma música apropriada, tipo: Coração de Estudante, Canção da América ou outra.

45)AUXILIO MÚTUO

Objetivo: Para reflexão da importância do próximo em nossa vida
Material: Pirulito para cada participante.
Procedimento:
Todos em círculo, de pé. É dado um pirulito para cada participante, e os seguintes comandos: todos devem segurar o pirulito com a mão direita, com o braço estendido. Não pode ser dobrado, apenas levado para a direita ou esquerda, mas sem dobrá-lo. A mão esquerda fica livre. Primeiro solicita-se que desembrulhem o pirulito, já na posição correta (braço estendido, segurando o pirulito e de pé, em círculo). Para isso, pode-se utilizar a mão esquerda. O mediador da dinâmica, recolhe os papéis e em seguida, dá a seguinte orientação: sem sair do lugar em que estão, todos devem chupar o pirulito! Aguardar até que alguém tenha a iniciativa de imaginar como executar esta tarefa, que só há uma: oferecer o pirulito para a pessoa ao lado!!! Assim, automaticamente, os demais irão oferecer e todos poderão chupar o pirulito. Encerra-se a dinâmica, cada um pode sentar e continuar chupando, se quiser, o pirulito que lhe foi oferecido. Abre-se a discussão que tem como fundamento maior dar abertura sobre a reflexão de quanto precisamos do outro para chegar a algum objetivo e de é ajudando ao aoutro que seremos ajudados.



46)VARRENDO OS PROBLEMAS

Material:Vassoura

Procedimento:Pega-se uma vassoura e falamos para cada um “varrer” da sua vida coisas que não quer mais.

Objetivos:oportunidade de conhecer o coração dos membros para que pudéssemos estar orando mais tarde e também foi um período de alegria, pois sempre tem uma que “varre” de forma engraçada ou diferente!



47) VAMOS SER MAIS OTIMISTAS

Material:1 folha de papel em branco 1 copo de água, exatamente pela metade

Procedimento:Dê a folha de papel em branco com um pontinho preto no meio para cada um dos membros da célula, e peça para que olhem para a folha por uns dois minutos. Logo após pergunte o que viram (certamente dirão que viram o pontinho preto).

Recolha os papeis e dê o copo com água pela metade para cada um, peça para que olhe para aquele copo por uns dois minutos também. Depois pergunte se o copo está meio cheio, ou meio vazio (certamente dirão que está meio vazio).

Depois de recolher os copos, fale sobre a necessidade de tirarmos os olhos dos problemas (pontinho preto) e olharmos as soluções ao nosso redor (todo o restante da folha em branco), e deixarmos de ser negativistas (copo meio vazio) e passarmos a ser mais otimistas (copo meio cheio).

Objetivo: Devemos levá-los a crer em Deus mesmo nas circunstâncias difíceis, e nunca tirarmos os olhos de Deus





48)UM PRESENTE PARA DEUS

Material: cada um trazer de casa uma caixa de presente vazia,lápis e papel

Procedimento: escrever no papel aquilo que é mais precioso para pessoa

Objetivo:levar a Deus em oração aquilo que lhe é mais preciosa



49)A PALAVRA CHAVE

Material:

Oito cartões para cada equipe. Cada um deles contém uma palavra: Amizade,

liberdade, diálogo, justiça, verdade, companheirismo, bravura, ideal, etc. Os

cartões são colocados em um envelope.

Como Fazer:

O animador organiza as equipes e entrega o material de trabalho.

Explica a maneira de executar a dinâmica. As pessoas retiram um dos cartões

(do envelope); cada qual fala sobre o significado que atribui à palavra

A seguir, a equipe escolhe uma das palavras e prepara uma frase alusiva.

No plenário, começa-se pela apresentação de cada equipe, dizendo o nome

integrantes e, em seguida, a frase alusiva à palavra escolhida.

Avaliação:Para que serviu o exercício?
Como estamos nos sentindo

50)MEUS SENTIMENTOS

Objectivo: apresentação e conhecimento

Material: papel, lápis de cor.

Desenvolvimento: cada um deve desenhar os sentimentos, as perspectivas que têm.

Dar um tempo para este trabalho individual que deve ser feito em silêncio, sem nenhuma comunicação.

Num segundo momento as pessoas reúnem-se em subgrupos e apresentam-se dizendo o nome, de onde vem, mostrando o seu desenho e explicando-o.

O grupo escolhe um dos desenhos para ser o seu símbolo apresentando-o e justificando.

Pode-se também fazer um grupo onde cada um se apresenta mostrando e comentando o seu desenho.

Palavra de Deus: Fl. 1,3-11 SL 6.

51)O OUTRO LADO

Objectivos: ver o objectivo comum do grupo. Processo de comunhão e união. Análise da realidade.

Desenvolvimento: (não dizer o objectivo da dinâmica).

O coordenador pede a todos que se coloquem no fundo da sala ocupando toda parede. Pede silêncio absoluto, muita atenção para a ordem que vai ser dada e que sejam rigorosamente fieis a ela. Deve-se manter silêncio durante a dinâmica.

A ordem é a seguinte: deverão procurar como grupo, atingir o outro lado da sala, da forma mais rápida possível e mais eficiente.

Repete-se a ordem várias vezes.

O coordenador dirá que a ordem não foi cumprida, pede ao grupo que recomece. Repita a ordem várias vezes, pedindo que haja silêncio.

NOTA: É bom que haja obstáculos pelo meio da sala (cadeiras…) dificultando a passagem. Ele considerará a tarefa cumprida quando julgar que o grupo se aproximou do ideal alcançando o outro lado unido, obedecendo ao ritmo um dos outros, tendo incluindo todos na travessia.

Em seguida fazer comentários sobre tudo que observaram e sentiram:

ü Como cada um se sentiu?

ü Quem se sentiu esmagado e desrespeitado?

ü Quem mais correu ou empurrou?

ü De que forma as lideranças foram se manifestaram?

ü Houve desistência no meio do caminho?

ü Surgiram animadores?

Palavra de Deus: 1 Cor. 12,12-27; Sl 133

52)NÚMEROS

Objectivos: Conhecimentos Pessoais.

Material: Cartões com números diferentes.

Desenvolvimento: Cada participante recebe um número que não deve ser mostrado para ninguém.

Dada a ordem, cada um vai procurar o número igual e não acha.

Comentam-se as conclusões tiradas (Somos únicos e irrepetíveis perante ao outro).

Palavra de Deus: Lc 15.3-7; Sl 8.

53)CONSTRUÇÃO DE UMA CIDADE

Objectivos: reflexão sobre a realidade.

Material: Fichas com nomes de profissões.

Desenvolvimento: Cada participante recebe uma ficha com o nome de uma profissão e deve encarna-la.

Por um instante analisar a importância daquela profissão. Depois da interiorização deve dizer-se:” Vamos viajar porque aquela cidade fica distante”… (atitude de quem viaja no mar).

Depois dizer: “o navio vai afundar! Só há um bote que pode salvar sete pessoas.”

O grupo deverá decidir quais as profissões mais urgentes que devem ser salvas.

Analisar profundamente e iluminar com um texto bíblico.

Palavra de Deus: Mt 7,26-27; Sl 127

54)SENSAÇÕES DE VIDA OU MORTE

Objectivo: analisar a pratica e revisão de vida.

Material: duas velas: uma nova e outra velha.

Desenvolvimento: grupo em círculo e ambiente escuro.

Eu…, tenho apenas cinco minutos de vida. Poderia ser feita em minha existência e deixar de fazer…(a vela gasta, acesa, vai passando de mão em mão).

Apaga-se a vela gasta e acenda a nova. Ilumina-se o ambiente. A vela passa de mão em mão e cada um completa a frase: Eu…, tenho a vida inteira pela frente e o que eu posso fazer e desejo é …

Analisar a dinâmica e os sentimentos.

Palavra de Deus: Mt 6,19-24; Sl 1.

55)PERFUME – ROSA E BOMBA

Objectivo: celebração penitencial e compromisso.

Material: não há material, usar a imaginação.

Desenvolvimento: o grupo deve estar em círculo.

Colocados imaginariamente sobre a mesa. Estão o perfume, a rosa e a bomba.

Um dos participantes pega inicialmente no perfume, faz o que quiser com ele e passa para o colega do lado. Faz-se o mesmo com a rosa e por último com a bomba.

Palavra de Deus: Mt 7, 7-12 Sl 101

56)VALORES

Objectivo: reconhecer os valores e qualidades.

Material: Cartões com valores escritos.

Desenvolvimentos: cada pessoa recebe um cartão com um valor que ela possua.

Deixar um momento para a reflexão pessoal.

Depois cada um vai dizer se considera ter mesmo este valor ou não. E se reconhece no grupo alguém que tem o mesmo valor.

Só no final da dinâmica, alguns guardam o valor para si, outros souberam reconhecer este valor em outra pessoa, outros até dividem o cartão com quem tem o mesmo valor.

Palavra de Deus: 1 Cor. 12,4-11 Lc 1, 46-55.

57)VALORES II

Objectivo: ressaltar o positivo do grupo.

Material: folhas, canetas e alfinetes.

Desenvolvimento: cada participante recebe uma folha em branco. Depois de reflectirem um momento sobre suas qualidades, anotam na folha colocando o seu nome.

Em seguida prendem a folha com alfinete nas costas e andam pela sala, um lendo os valores dos outros e acrescentando valores que reconhecem no companheiro. Só no final todos retiram o papel e vão ler o que os colegas acrescentaram.

Palavra de Deus: Ef 4, 1-16 Sl 111

58)DINAMICA DE APRESENTAÇÃO

Objectivo: conhecimentos mútuos, memorização dos nomes e integração no grupo.

Desenvolvimento:

Cada um dirá o próprio nome acrescentando um adjectivo que tenha a mesma inicial do seu nome. Roberto Risonho.

O seguinte repete o nome do companheiro com o adjectivo e o seu apresenta acrescentando um adjectivo para o seu nome e assim sucessivamente.

Exemplos: Roberto Risonho, Nair Amorosa, Luzia Linda, Inácio Inofensivo.

Palavra de Deus: Ap. 2,17 Sl 139

59)A MALETA

Objectivo: consciencialização sobre a estrutura da sociedade que reforça a defesa dos interesses particulares, não estimulando o compromisso solidário.

Material: uma mala com fechadura, chave da mala, dois lápis sem ponta, duas folhas de papel em branco, dois apontadores iguais.

Desenvolvimento: forma-se duas equipes.

A uma equipa entrega-se a mala, dois lápis sem ponta e duas folhas de papel em branco dentro da mala.

A outra equipa entrega-se a chave da mala e dois apontadores iguais.

O coordenador pede que as duas equipes negociem entre si o material necessário para cumprimento da tarefa que é a seguinte: ambas deverão escrever: “Eu tenho Pão e Trabalho.”

A equipa vencedora será a que escrever primeiro e entregar a frase para o coordenador.

A frase deve ser anotada no quadro ou em cartaz numa letra grande e legível.

Palavra de Deus: 2 Cor 9, 6-9 Sl 146

60)O HELICOPETERO

Objectivo: apresentação e conhecimento

Desenvolvimento: (duração 40 minutos).

Faz-se um círculo com os participantes da reunião.

O coordenador convida todos a fazerem um passeio de barco a remos. Inicia-se o passeio. Todos devem fazer gestos com os braços, como se estivessem a remar.

O coordenador anuncia a chegada à ilha. Todos podem passear, à vontade (todos passeiam pela sala e cumprimentam o companheiro).

O coordenador anuncia a todos que houve um maremoto e a ilha vai ser inundada. Por isso, virá um helicóptero para resgatar o grupo. Porém ele não comporta todos de uma vez. O grupo deverá organizar rapidamente seguindo as orientações.

a) O helicóptero chegou. Ele levará cinco pessoas.

b) O helicóptero voltou. Desta vez levará quatro pessoas, e estas devem ser estranhas umas das outras.

c) Nosso helicóptero teve uma avaria no motor. Veio desta vez um menor. Só levará três pessoas e devem ser de comunidades diferentes. Quem não seguir orientação poderá ser atirado ao mar.

d) O helicóptero esta aí novamente. Vai levar quatro pessoas, devido o perigo de afogamento. Mas continua a exigência: o grupo deve ser formado por pessoas que ainda não se conhecem.

e) O helicóptero não pode voltar mais. Acabou o combustível. Temos que sair de barco. Há uma exigência fundamental: levar uma pessoa desconhecida com quem não se conversou ainda.

f) Anuncia que todos foram salvos.

NOTA: Dá-se o tempo necessário para os grupos discutirem as questões. Elas podem ser como sugeridos abaixo ou pode-se elaborar outras de acordo com a realidade do grupo.

Sugestões para as questões

a) Grupo de cinco pessoas: o seu nome. Nome do grupo e o significado do mesmo. Nome da comunidade morada. Qual o seu ideal?

b) Grupo de quatro pessoas: o seu nome. O que faz na comunidade? Estuda? O quê? Onde? O que espera do curso e o que gostaria que fosse tratado?

c) Grupo de três pessoas: Como se sente aqui? Porque veio? O que é pastoral para ela? E movimento? Como esta organizada a pastoral na sua paróquia?

d) Grupo de quatro pessoas: O que achou desta dinâmica de conhecimento? Porque?

e) Grupo de três pessoas: conversar com alguém que se não conhece e com quem não tenha conversado ainda.

Palavra de Deus: Jo 13, 34-35 Sl 133

61)CAMISAS

Objectivo: Conhecimento mútuo e levantamento da realidade.

Material: Alfinetes ou fita adesiva, pincéis ou canetas, folhas de jornal e tesoura.

Desenvolvimento: Cada participante pega uma meia folha de jornal, rasga ou corta as pontas de cima no formato de camisa.

Escreva na camisa de jornal: O nome, que trabalho faz, onde trabalha, se gosta ou não do trabalho. Pode dar as seguintes orientações: escreva ou desenhe algo que caracterize sua vida de trabalhador.

Prega-se a camisa no corpo e circula pela sala para cada um ler o que outro escreveu ou desenhou.

62)VITAR PELO AVESSO

Objectivo: Despertar o grupo para a importância da organização

Desenvolvimento:

1° Passo: formar um círculo, todos de mãos dadas.

2° Passo: O coordenador propõe ao grupo um desafio. No grupo, todos deverão ficar voltados para fora, de costas para o centro do círculo, sem soltar as mãos. Se alguém já conhece a dinâmica deve ficar de fora observando ou não dar pistas nenhuma.

3° Passo: o grupo deverá buscar alternativas, até conseguir o objectivo.

4° Passo: depois de conseguir virar pelo avesso, o grupo deverá desvirar, voltando a estar como antes.

5° Passo: Analisar a dinâmica:

O que viam? Como se sentiram?

Foi fácil encontrar a saída? Porquê?

Alguém desanimou? Porquê?

O que é que isto tem a ver com o nosso dia a dia?

Nesta sociedade o que precisa ser transformado?

O que nós podemos fazer?

Palavra de Deus: Ex 18, 13-27 Sl 114

63)APOIO

Participantes: Indefinido.

Tempo Estimado: 10 minutos.

Descrição: O coordenador deve pedir a todos os participantes que se apoiem em um só pé, onde deveram dar um pulo para frente sem colocar o outro pé no chão, um pulo para a direita outro para esquerda dar uma volta, abaixar-se, etc.

Mensagem: Não podemos viver com o nosso individualismo porque podemos cair e não ter força para levantar. Porque ficarmos sozinhos e temos um ombro amigo do nosso lado?

64)APRESENTAÇÃO

Tamanho do grupo: 20 a 30 pessoas.

Tempo: 45 minutos.

Descrição: O coordenador explica que a dinâmica é feita para o conhecimento de quem é quem no grupo, e se pretende fazer apresentação a dois, para isso se formam pares desconhecidos que durante uns minutos esses pares se entrevistem, após a entrevista feita pelos pares volta ao grupo. Cada pessoal fará apresentação da pessoa que foi entrevistada, não podendo fazer a sua própria apresentação. Quem estiver sendo apresentado vai verificar se as informações a seu respeito estão correctas conforme foi passada na entrevista. Termina com uma reflexão sobre a validade da dinâmica.

65)ARTISTA

Participantes: Indefinido.

Tempo Estimado: 10 minutos.

Material: Lápis e papel.

Descrição: O dirigente pede para os participantes fecharem os olhos. Pede a cada participante que desenhe com os olhos fechados uma:

Casa
Nessa casa coloque janelas e portas.
Ao lado da casa desenhe uma árvore.
Desenhe um jardim que cerque a casa, sol, nuvens, aves voando
Uma pessoa com olhos, nariz e boca.
Por fim peça para escreverem a frase em baixo:
SEM A LUZ DE DEUS PAI, DEUS FILHO, DEUS ESPÍRITO SANTO, TUDO FICA FORA DO LUGAR.
Peça para abrirem os olhos e fazer uma exposição dos desenhos, um por um.
Comentário: Sem a luz e a presença do Pai, toda obra sai imperfeita. Deus é única luz. Sem ela só há trevas.

66)AS CORES

Participantes: Indefinido.

Tempo Estimado: 25 minutos.

Material: Fita adesiva, 5 cartolina de cores diferentes cortadas uma de cada cor no tamanho de uma folha de papel A4.

Outras cortadas no tamanho que de para colar na testa de cada um.

Descrição: Pedir para que os participantes formem um circulo e que fechem os olhos.

O coordenador deve pregar na testa ou na costa de cada um uma cor, e logo depois as cinco cartolinas de cores diferentes do tamanho de papel ofício, devem ser colados cada um em uma parede da sala.

O coordenador pode pedir para abrirem os olhos e que não podem conversar até o termino da dinâmica. O coordenador deve explicar que eles terão um certo tempo para descobrirem sua cor e se destinar para perto da parede que tenha a sua cor. E tudo isto sem poderem comunicar-se

E os que não conseguirem terão que pagar uma “prenda”.

Recomendação: Com certeza algumas pessoas que vão entender 1º a dinâmica, irão para seu lugar e ficarão rindo dos colegas em vez de ajudá-los.

Ao termino o coordenador deve informar que todos venceram com excepção dos que chegaram 1º e não ajudaram os seus irmãos.



67-QUEM SOU EU?

Dividir a equipe em dois grupos. Cada grupo, um de cada vez, escolhe um personagem e diz ao outro grupo: “Estou pensando em alguém cujo nome começa com _ _ _. O grupo adversário fará perguntas que só poderão ser respondidas com “sim” ou “não”. Será anotado quantas perguntas foram necessárias até o grupo descobrir o personagem. Ganha o grupo que descobrir com menor número de perguntas.



68-QUAL A LIGAÇÃO?

A turma é dividida em grupos. O professor fará um desenho na lousa, levará objetos ou figuras e o grupo tentará descobrir a qual história aquele objeto se relaciona. Exemplo: Leão-Daniel, Túnica-José, Peixe grande-Jonas, Porco-Filho Pródigo, etc.



69-PESCARIA

Confeccionar varas de pescar: cabo de vassoura ou vara, barbante, clipe para ser o anzol e “peixes” de papel, contendo no verso perguntas relacionadas aos estudos bíblicos feitos. Prenda um clipe em cada peixe para facilitar a pesca e encaixe-os numa bandeja de areia. Cada grupo deverá pescar um peixe, mas para poder ficar com ele precisa responder corretamente a pergunta que consta em seu verso. Vence o grupo que conseguir juntar o maior número de peixes.



70-JOGO DA FLOR

Confeccionar uma flor com dez pétalas (mais ou menos), essas pétalas deverão ser separadas umas das outras com um círculo no meio para ser o miolo. No verso de cada pétala haverá um número de 1 a 10 e esse verso poderá ser feito de papel camurça para que se prenda ao flanelógrafo. O grupo será dividido em duas equipes e a cada uma será feita uma pergunta da lição dada, caso a equipe acerte, ela escolherá uma das pétalas e verificará quantos pontos obteve. No final se somarão os pontos para constatar a equipe vencedora.

Postagens populares

VENHA VOCÊ TAMBÉM!

VENHA VOCÊ TAMBÉM!

LEMBRE-SE !

LEMBRE-SE !

VEJA OS VÍDEOS QUE ESTÃO NA MÍDIA!

Loading...

AMIGOS QUE

AMIGOS QUE

DESEJO SEMPRE

DESEJO SEMPRE

Ó MEU DEUS

Ó  MEU DEUS